02/09/2014 18h48 – Atualizado em 02/09/2014 18h48

Atendimento bancário em Três Lagoas é precário, mesmo com todo o desenvolvimento

Diferentes segmentos da economia local se prepararam para receber a quantidade de novos moradores e comércios que se instalaram no município nos últimos dez anos, porém, o serviço bancário local ainda está no nível amador, sendo incompatível com realidade local

Da redação

A cidade de Três Lagoas vive hoje o reflexo da instalação de grandes indústrias, que a cerca de mais de uma década, impulsionam crescimento do município, tanto populacional quanto econômico. E mesmo com a grande oferta de emprego gerada pela expansão de setores como o de alimentação, hotelaria, imobiliário, entre outras, as agências bancárias de cidade não se atentaram para a necessidade de receber essa demanda como deveria. O crescente números de clientes e de empresas que efetuam transações bancárias diariamente penaliza o correntista que necessita de atendimento diretamente nos caixas e nas repartições de atendimento ao cliente.

É cena corriqueira encontrar filas enormes, algumas até fora da agencia de clientes aguardando para serem atendidos nas agências bancárias

NEGLIGÊNCIA

A negligência é vista não só na falta de cumprimento da Lei dos 15 minutos, em vigor desde 2005, que determina como tempo máximo o atendimento em dias normais, mas também na displicência com que agem os funcionários dentro do banco.

Na manhã desta segunda-feira (14), a reportagem do Perfil News flagrou as duas situações no Banco do Brasil, agência Alvorada: não cumprimento da Lei Municipal e pouco caso dos funcionários que estavam na agência, que transitavam de um lado para o outro, parecendo demonstrar falta de interesse em prestar um bom atendimento aos clientes que aguardavam uma espera de mais de horas para ser atendido pelo caixa.

Com senha de entrada número C055, onde informava horário de chegada às 11hs43, a reportagem presenciou o cliente ser atendido apenas às 13h06, uma espera de 1h23. Mesmo com apenas 30 pessoas na fila, a espera foi ocasionada pela presença de apena um atendente na boca do caixa. Outros funcionários do banco, não se dispuseram em momento algum a prestar apoio ou orientação aos clientes, ou mesmo auxiliar a colega que atendia sozinha no caixa.

POSIÇÃO DO BANCO

Em contato com o gerente geral da agência, Elvis Rodrigues, foi informado, por ser uma segunda-feira e ser primeiro dia do mês, o fluxo de pessoas de fato aumenta. Porém, negou o fato de que havia apenas um atendente nos caixas. “Sempre ficamos com duas pessoas no local para atender o público da melhor maneira possível. O tempo que fica com um atendente só, é no intervalo de almoço, que é de 15 minutos. “Eu mesmo estive passado de um por um na fila, para verificar os serviços que poderiam ser feitos na autoatendimento do caixa eletrônico”, finalizou.

A reportagem do Perfil News estava presente e acompanhou a situação, que inclusive recebeu várias reclamações dos clientes que esperavam há horas para serem atendidos.

Clientes do Banco do Brasil olham com atenção painel da agência bancária que informa a senha de atendimento (Foto: Ricardo Ojeda)

Senha de atendimento fornecido pelo sistema da agência que pode servir de prova para documentar a longa espera onde algumas vezes os clientes são submetidos

Comentários