28/03/2016 16h16 – Atualizado em 28/03/2016 16h16

A indústria superou a marca mundial de produtividade contabilizando 5.420 toneladas diária de celulose branqueada de fibra curta em um único dia

Assessoria

A Eldorado Brasil atingiu nesta quarta-feira a marca de 5.420 toneladas de celulose produzidas em um único dia em sua fábrica em Três Lagoas (MS). Este é o recorde mundial para produção diária de celulose branqueada de fibra curta. “Na prática, a conquista atesta que nossa fábrica tem ritmo e estabilidade operacional, garantindo que as metas de produção serão cumpridas de forma eficiente e sustentável, ou seja, sem comprometer ativos e com respeito ao meio ambiente”, afirma Carlos Monteiro, diretor Industrial da empresa.

Este excelente desempenho aliado às melhorias que serão realizadas durante as próximas paradas gerais programadas para manutenção deverão elevar a capacidade de produção acima de 1,7 milhão de toneladas por ano.

Sobre a Eldorado Brasil

A Eldorado Brasil é uma das mais modernas e competitivas empresas de celulose do mundo. Conta com diferenciais como: florestas próprias certificadas, geração de energia a partir de biomassa, reaproveitamento de recursos e um modelo logístico inovador, competitivo e com baixa emissão de carbono. Também promove o desenvolvimento socioeconômico das comunidades da região em que atua.

Com investimento de R$ 6,2 bilhões, foi construída em tempo recorde e começou a operar no final de 2012. Seu complexo industrial e base florestal estão localizados no Mato Grosso do Sul. Também possui um viveiro no interior de São Paulo, com capacidade de produção de 28 milhões de mudas ao ano. Distribui sua celulose para o Brasil e para o mundo.

Para atender com qualidade à demanda global, conta com parque industrial moderno com capacidade para produzir até 1,7 milhão de toneladas de celulose por ano e com processos sustentáveis, base florestal renovável e excelência nos processos de distribuição.

A celulose produzida pela Eldorado são exportados para vários países e continentes, como  Ásia, Europa e os Estados Unidos (Foto: Assessoria)

Comentários