04/02/2019 09h04

Ao longo de 10 anos o PQF movimentou o equivalente a R$ 1,158 bilhão em relações comerciais entre fornecedores e âncoras.

Gisele Berto

Empresários de Três Lagoas participantes do Programa de Qualificação de Fornecedores (PQF) venderam, em 2018, o equivalente a R$ 246 milhões em produtos e serviços para a Suzano Papel e Celulose, antiga Fibria, conforme números publicados pela empresa.

O PQF é realizado pelo IEL (do Sistema Indústria) no Estado há 10 anos e, ao longo deste período, movimentou o equivalente a R$ 1,158 bilhão em relações comerciais entre fornecedores e âncoras. Até o final de 2018, somavam 70 empresas participantes certificadas, número bem acima das 13 de 2008.

Em 2008, primeiro ano do programa, foram gerados sete empregos diretos. Dez anos depois, em 2018, o número chegou a 70. O faturamento médio dos fornecedores também cresceu consideravelmente, passando de R$ 19.230 mil para R$ 3,514 milhões em 10 anos.

Marcos Antônio Barbosa é proprietário da empreiteira Otino, que oferece serviços de terraplenagem e participa há sete anos do PQF. Ele conta que atualmente a Suzano é seu principal cliente e que trabalha muito para manter a qualidade exigida para atender a multinacional.

“Minha empresa era bem pequena, tinha só 10 funcionários. Com o PQF, nós fomos abrindo a mente, aumentamos equipamentos, contratamos mais e hoje estamos com 55 colaboradores e previsão de passar de 60 até o primeiro semestre deste ano. Com ajuda dos consultores fomos perdendo o medo de crescer e começamos a investir para cumprir com o que o nosso cliente deseja”, explicou o empresário.

Para Marcos Antônio, 2018 foi o melhor ano da empresa em termos de negócios e graças aos bons resultados conseguiu dobrar o número de equipamentos que prestam serviços e ampliar o atendimento às empresas.

O coordenador executivo do PQF, Hugo Bittar, explica que o programa é realizado atualmente com fornecedores de Campo Grande, Três Lagoas e Ribas do Rio Pardo, desde o início com o intuito de qualificar e fortalecer empresas locais dentro de requisitos básicos de fornecimento às indústrias e aos órgãos públicos.

Marcos Antônio Barbosa, proprietário da empreiteira Otino, oferece serviços de terraplenagem e participa há sete anos do PQF Foto: Divulgação

Comentários