10/08/2017 16h56

Engenheiro é multado em R$ 5 mil após expor vídeo com onça amarrada e uma árvore

O vídeo foi publicado no Facebook pelo próprio acusado. As imagens divulgadas pelo infrator renderam vários comentários por parte de seus amigos da página.

Da redadção

Policiais Militares Ambientais de Bela Vista receberam denúncias, de que uma pessoa estava expondo vídeo nas redes sociais de um animal silvestre da espécie onça-parda que ele manteria em cativeiro, amarrada a uma árvore.

As imagens divulgadas pelo infrator renderam vários comentários por parte de seus amigos da página. No vídeo veiculado em seu perfil, o infrator, ao mesmo tempo em que chuta uma bola para o animal que se encontra amarrado em uma arvore, diz a seguinte frase: “ó, porque aqui no Mato Grosso do Sul é assim! Ao final solta gargalhadas.

Os Policiais localizaram o infrator hoje (10), um engenheiro de 38 anos, residente em Bela Vista e o autuaram administrativamente, aplicando-lhe multa de R$ 5.000,00. Ele também poderá responder por crime ambiental e pode pegar pena de até um ano e meio de prisão por manter animal silvestre ilegalmente em cativeiro. A onça-parda consta da lista de espécie em extinção.

O autuado alegou que o vídeo teria sido gravado em uma fazenda no Paraguai e não sabe o que aconteceu com o animal.

A prática do infrator insinua a possibilidade de infringir a legislação, de modo a ofender a fiscalização ambiental, o que em tese incitaria publicamente seus seguidores à prática criminosa, assim também poderá responder por “INCITAÇÃO À PRATICA CRIMINOSA”, conforme artigo 286 do Código Penal Brasileiro.

ONÇA PARDA

A onça-parda, puma, ou suçuarana é encontrada em todas as Américas, desde o Canadá, ao extremo sul da América do Sul. Vive em torno de 15 anos e em alguns locais pode atingir até 100 quilos. É um animal solitário e prefere viver em lugares de difícil acesso, florestas, desertos e montanhas. Geralmente caça ao entardecer.

(*) Informações com assessoria da Polícia Militar Ambiental.

Além da multa, o acusado ainda poderá ser condenado há um ano e meio de prisão (Reprodução / Assessoria)

Comentários