10/04/2015 09h37 – Atualizado em 10/04/2015 09h37

A Mangahigh é uma solução que busca ensinar a disciplina com tecnologia e redes sociais

Assessoria

As escolas da Rede Sesi de Ensino em Campo Grande, Corumbá, Dourados, Naviraí e Três Lagoas já iniciaram a utilização da Mangahigh, uma solução educacional para o ensino da matemática que usa tecnologia e internet para disponibilizar conteúdos e jogos e que pode ser acessada por meio de computadores, smartphones e tablets. De acordo com o superintendente do Sesi, Michael Gorski, a entidade faz um mapeamento para identificar as necessidades dos alunos e foi identificada a resistência com a matemática. “Então buscamos essa ferramenta que permite ao aluno aprender brincando e ter esse aprendizado monitorado, ajustando o que está sendo ensinado às necessidades do aluno”, disse.

Na Escola do Sesi de Campo Grande, os professores já foram capacitados para manuseio da ferramenta, que vai auxiliar na estratégia de ensino da matemática de forma dinâmica, descontraída e divertida. “Os nossos professores puderam conhecer a plataforma Mangahigh, que tem como principal objetivo ampliar as competências e as habilidades dos alunos para vencerem as dificuldades e melhorarem seu desempenho escolar por meio de jogos. Essa ferramenta já é utilizada em diversos países e com mais de 2 milhões de usuários no mundo”, explicou a diretora Gláucia Campos.

Já a coordendora pedagógica da Escola do Sesi de Campo Grande, Roselaine Silvestre Teixeira, acredita que essa nova ferramenta possibilitará a melhoraria da prática em sala de aula. “Consequentemente, essa plataforma desenvolverá um melhor desempenho de nossos alunos na busca de melhores resultados na aprendizagem efetiva”, analisou. A professora de matemática, Lidiane Ottoni, explica que, por meio das atividades da Mangahigh, foi possível observar o empenho dos alunos, a motivação, o dinamismo e a busca pela melhor pontuação. “O site já contribuiu muito também com a minha prática como educadora, auxiliando no desenvolvimento de novas metodologias de ensino”, disse.

INTERIOR

Na Escola do Sesi de Corumbá, o professor de matemática, Carlos Roberto, destaca que os professores apreenderam todos os recursos e ferramentas oferecidos pela Mangahigh e agora estão repassando aos alunos, enquanto a professora de química, Vanessa Padilha, reforçou que essas ferramentas vão auxiliar a propor atividades diferenciadas de forma dinâmica aos alunos. Ainda em Corumbá, as aulas inaugurais do uso da Mangahigh contaram com a orientação da coordenadora pedagógica Francy Laura Moraes. “Conseguimos encantar, disseminar e esclarecer a importância para aumentar a proficiência e o interesse pela matemática”, disse.

Para a professora Elaiza Silva, é fascinante constatar como os alunos estão apreendo matemática. “Agora, está mais fácil auxiliá-los na aquisição do conhecimento”, afirmou. O estudante Flávio Rossi, do 5º ano do Ensino Fundamental, adorou a nova ferramenta pedagógica. “Nossa é muito legal, achei criativo e vamos aprender mais. E o que é melhor, junto com os meus pais em casa”, analisou. Para Vânia de Souza, mãe de um aluno da Escola do Sesi de Corumbá, agora será possível acompanhar o que o filho está aprendendo. “Hoje eu vi os olhos dele brilhando e me deu vontade de jogar junto. O Sesi está de parabéns, assim fica divertido aprender”, pontuou.

Já na Escola do Sesi em Naviraí o professor Fernando Luiz Gonçalves reforçou que a Mangahigh será uma excelente ferramenta para o ensino de matemática. “Os alunos aprenderão de uma forma lúdica e prazerosa”, afirmou. Na Escola do Sesi de Dourados, a coordenadora Nilva Nilva Maria do Nascimento Oliveira declarou que foi possível observar o quanto os alunos estão encantados com o programa. “Comentam pelos corredores , em sala de aula. Estão sendo momentos únicos, desde já ficamos na expectativa de avanços na proficiência da matemática dos nossos alunos”, concluiu. A aluna Ester Karolina, do 5º ano do Ensino Fundamental, destaca que a Mangahigh possibilitou um aprendizado mais divertido. “Além de aprendermos que a matemática é bem importante, também ficamos sabendo que a matemática não é só contar, mas também traz informações interessantes que nos ajudam muito nas aulas. Estou encantada com o programa”, garantiu.

DIAGNÓSTICO

Na Escola do Sesi de Três Lagoas, os professores foram convidados a conhecer e manusear a ferramenta Mangahigh, que permite diagnóstico dos alunos em cada atividade, possibilitando tarefas diferenciadas e específica para cada caso. Eles tiveram a oportunidade de verificar que a ferramenta propõe premiações virtuais de avatar e medalhas, atividades em situações variadas em que o professor planeja atividades de conteúdos da série (para todos ao alunos), da série anterior (para alunos com defasagem),de serie mais avançada (para alunos adiantados).

Para a coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental I, Vanessa Martins, a Mangahigh é uma ferramenta maravilhosa, que auxilia e incentiva alunos de todas as idades por meio de desafios matemáticos. “Além disso, o fato de o professor poder acompanhar e comparar o desempenho dos alunos gera um incentivo na busca de melhores resultados”, analisou. A professora Angela Olaria Dauzacher reforça que a ferramenta veio ao encontro das necessidades da sala de aula. “Buscamos ampliar o conhecimento matemático e a superar as dificuldades de nossos alunos de uma maneira lúdica e divertida”, disse.

Segundo a professora Edilene Pereira, além do lúdico e de possibilitar o uso de mais recursos no processo ensino-aprendizagem, a Mangahigh permite observar os avanços do aluno baseado em dados e gráficos. “Uma ferramenta que visa contribuir com o trabalho do professor e com a aprendizagem do aluno”, completou a professora de matemática do 6º e 7º ano do Ensino Fundamental, Creuza Rombola de Freitas. “É a tecnologia a favor da educação. Será um instrumento de trabalho que poderá alavancar a aprendizagem dos nossos alunos”, finalizou o professor de matemática do 8º e 9º ano do Ensino Fundamental, Edcarlos Lopes Ferreira dos Santos.

(*) SESI

Através dos jogos, os alunos aprendem brincando. (Foto: Divulgação)

Professores de Três Lagoas em treinamento, para aplicarem durante as aulas. (Foto: Divulgação)

Alunos durante o uso dos jogos de matemática. (Foto: Divulgação)

Comentários