14/09/2017 09h52

Expectativa é que o modelo chegue ao Brasil no final deste ano. Umas das novidades, é o rápido reconhecimento fácil que substitui a digital.

Flávio Veras

Para os especialistas, o iPhone X pode ser considerado um ‘supercelular’, pois unifica tecnologias e inovações existentes em outros modelos. Além disso, o novo modelo traz um visual bastante diferente do que os consumidores estavam acostumados, em outros, como o iPhone 8, iPhone 7 e mesmo iPhone 6.

De acordo com alguns analistas, o iPhone X como o “smartphone do futuro”. Ele chegará ao mercado por um preço mais alto – inclusive no Brasil, pois a Apple dá como certo o desembarque dele no país “até o fim do ano”. Portanto, o três-lagoenses fãs da marca e por tecnologia, terão que segurar a ansiedade para ter o suspercelular em mãos.

O botão inicial (carinhosamente chamado de Home), que Algo que era tradicional em outros modelos, as de cena. Outro fator diferente é o recorte preto na área superior do display. Com as mudanças, os engenheiros da Apple tiveram que repensar a interação do usuário com o telefone, levando em consideração a falta desses dois componentes.

O leitor de impressões digitais e o Touch ID dão lugar ao reconhecimento facial e ao Face ID. A Apple diz que o celular “sabe quem você é” só de olhar para a tela, e na sequência realiza o desbloqueio.

A promessa é essa, mas faltou combinar com o próprio celular, que apresentou dificuldade de reconhecer um executivo durante a demonstração, na última terça-feira (12), no palco do evento. Fato esse, que fez ações da empresa despencarem naquele dia.

Apesar do soluço, o supercelular mostra-se esperto na leitura das informações do rosto. Funciona da seguinte maneira: a tela de bloqueio exibe um ícone de cadeado que permanece fechado enquanto a identidade do usuário não é confirmada, mas que se abre quando o Face ID detectou que está diante do proprietário do telefone. O procedimento de tirar o iPhone X do bolso e trazer para o alcance do rosto leva poucos instantes, e imediatamente ele libera o acesso aos aplicativos e funções do smartphone.

Por fim, todas essas novidades podem ser acessadas em uma tela de 5,8 polegadas – chamada de Super Retina – que ocupa a maior parte da face do smartphone. A Apple emprega no iPhone X um display OLED capaz de mostrar cores mais vibrantes e taxa maior de contraste. A novidade é muito bem-vinda, enquanto os demais modelos (iPhone 8 e iPhone 8 Plus) permanecem com display LCD mais opaco.

iPhone X na tela de ajustes do Face ID (Foto: Thássius Veloso/TechTudo)

Comentários