18/11/2006 11h36 – Atualizado em 18/11/2006 11h36

Estadão

A Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos terminou, na sexta-feira, com a proibição de 14 anos sobre as próteses de mama feitas de silicone. Antes, o uso desse tipo de implante era restrito a mulheres participantes de estudos e pesquisas. No mundo, existem dois tipos de próteses, as de silicone e as que são preenchidas por uma espécie de água salgada – estas já permitidas no país.

A FDA alertou, porém, que, apesar de “razoavelmente seguras”, as próteses de silicone não duram para sempre. A mulher que optar por elas terá, provavelmente, que passar por uma nova cirurgia, para substituí-las depois de alguns anos.

Os implantes foram aprovados para mulheres de 22 anos ou mais, ou em todas as idades se tiverem passando por cirurgia de reconstrução da mama. Cerca de 291 mil mulheres passaram pela cirurgia de aumentos dos seios nos Estados Unidos em 2005, de acordo com a Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos. Outras 50 mil tiveram as mamas reconstruídas.

A aprovação foi dada sob algumas condições, incluindo um requerimento de que as empresas completem estudos com dez anos de duração com mulheres que já receber os implantes, para examinar se não há vazamentos, assim como começar novos estudos de uma década para testar a segurança da prótese em 40 mil mulheres.

Com o fim da proibição, os cirurgiões esperam que os implantes preenchidos com gel de silicone substituam aqueles com água como a escolha mais popular entre as quase 300 mil mulheres que se submetem ao procedimento todos os anos, chegando eventualmente a equiparar-se com a imensa maioria da preferência que o silicone possui ao redor do mundo.

Aqueles a favor das próteses de silicone dizem que elas aparentam mais naturalidade que as preenchidas com água salgada, que são vendidas sem restrições.

Comentários