10/05/2017 19h35

O ex-presidente começou as alegações finais a Moro relembrando sua eleição, e dizendo que “não tinha o direito de errar”

Da Redação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou nesta quarta-feira (10) ser o verdadeiro dono do tríplex do Guarujá, em depoimento ao juiz Sergio Moro. O petista afirmou ainda que nunca se interessou pela compra do apartamento. “Eu só poderia utilizar aquele apartamento numa Quarta-feira de Cinzas com chuvas”, disse Lula, de acordo com que o UOL apurou junto a pessoas que acompanharam o depoimento.

O ex-presidente começou as alegações finais a Moro relembrando sua eleição, e dizendo que “não tinha o direito de errar” enquanto era presidente. Em meio a esta memória da primeira eleição de Lula, o juiz Sergio Moro interrompeu a fala e pediu para ele ser mais breve, e que ali não caberia uma memória do governo inteiro. No que Lula argumentou que estava sendo julgado por atos durante o governo, e que não tinha como defender-se sem falar da gestão. “Eu sou julgado pela construção de um PowerPoint mentiroso, aquilo é ilação pura”, disse Lula a Moro.

“Eu tenho 71 anos de idade, cinco filhos e oito netos, e nunca ninguém que me acusou respeitou meus netos, que sofrem bullying todo dia por causa de mentira”, continuou o ex-presidente. E reclamou do tratamento dado ao assunto pela imprensa. “De março para cá, são 29 capas da revista ‘Isto É’, 19 da ‘Veja’ e 11 da ‘Época’ demonizando o Lula”, afirmou, reclamando dos vazamentos seletivos.

Durante quase cinco horas, o ex-presidente prestou depoimento, na condição de réu, em uma ação penal na 13ª Vara Federal de Curitiba, sob a acusação de ter recebido propina da OAS, no âmbito do esquema de corrupção em contratos da Petrobras. Segundo a denúncia, Lula teria recebido da empreiteira um tríplex no Guarujá (SP), além do pagamento do armazenamento de bens recebidos durante sua passagem pela Presidência da República (2003-2010).

(*) UOL

Comentários