24/10/2019 16h19

O evento faz parte das atividades do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde), uma parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde e os cursos de Medicina e Enfermagem da UFMS/CPTL e de Farmácia das Faculdades Integradas de Três Lagoas

Redação

Na noite de terça-feira (22), estudantes e profissionais da saúde se reuniram no Anfiteatro Dercir Pedro de Oliveira, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, campus de Três Lagoas, para uma palestra sobre Comunicação, Ética e Humanização. O evento faz parte das atividades do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde), uma parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde e os cursos de Medicina e Enfermagem da UFMS/CPTL e de Farmácia das Faculdades Integradas de Três Lagoas (AEMS).

De acordo com a palestrante, professora do curso de Medicina, Juliana Dias Reis Pessalacia, ” Sabe-se que o trabalho em equipe multiprofissional ainda se constitui um desafio para a atenção à saúde nos diferentes contextos de prestação de serviço. Contudo, na Atenção Básica tal desafio torna-se mais evidente, dadas as especificidades deste nível de atenção, as quais envolve dentre outros aspectos, o contato contínuo com as questões sociais e emocionais da população atendida. Assim, a reflexão ética torna-se um importante subsídio para a atuação e o trabalho em equipe, visto que, as condições do trabalho encontram-se associadas ao aumento de doenças, afastamentos e absenteísmo “.

da palestra ministrada, ocorreu ao final da apresentação uma discussão de casos envolvendo dilemas bioéticos do trabalho na Atenção Primária à Saúde. Durante a atividade foram levantados questionamentos e reflexões críticas sobre a temática, em que profissionais e estudantes puderam compartilhar suas vivências. ” A prática na Atenção Básica traz conflitos éticos a serem superados, e a bioética busca a melhor forma de resolver esses conflitos. (…) O que nós precisamos é aprender a dialogar “, disse a palestrante.

O PET-Saúde é um programa do Ministério da Saúde e as atividades da edição atual iniciaram em abril deste ano. Discentes, docentes e profissionais estão distribuídos em três unidades da Atenção Básica do município de Três Lagoas (ESF Santo André, UBS Santa Luzia e ESF Nova Três Lagoas) e têm desenvolvido atividades voltadas ao desenvolvimento da interprofissionalidade – uma maior integração das equipes de saúde.

“Quase não se observava a interprofissionalidade nos postos de saúde antes do PET, e verificamos que evoluiu de um processo fragmentado para uma troca de ideias e experiências entre todos profissionais, (…) mesmo os que não participam do programa começam a se interessar e a colaborar nos vários setores”, diz Áurea Lúcia Nunes Montechi, médica ginecologista e obstetra da UBS Santa Luzia. “O mais importante do projeto é deixar raízes que vão continuar dando frutos mesmo após o fim dessa etapa das atividades”.
Para Acylino Queiroz, farmacêutico da UBS Santa Luzia, as atividades desenvolvidas pelos estudantes são muito importantes para os profissionais da unidade. Ele ressaltou também a importância de se discutir ética e comunicação: ” Para mim é uma coisa importante. (…) Hoje mesmo tive uma experiência de acolhimento no posto (…) e saber como lidar com esse tipo de coisa é muito importante “.

Entre palestras abertas ao público e atividades comunitárias nos postos de saúde, o PET-Saúde tem promovido a interprofissionalidade e a melhora no cuidado à população local. Além disso, integrando conhecimentos e habilidades, o programa também proporciona aos futuros profissionais uma formação diferenciada e mais humanizada.

Foto/ Assessoria

Comentários