A situação mobilizou investigadores da Divisão de Investigações Criminais de Casos Puníveis da Polícia Nacional do Paraguai em Pedro Juan Caballero

TEMPO MS NEWS – O caso foi registrado nas primeiras horas da manhã desta terça feira (12) quando um familiar das oito vítimas de sequestro, chegou na Comissaria de Polícia da cidade de Capitan Bado na fronteira com Coronel Sapucaia, onde denunciou que familiares e funcionários do brasileiro Roberto Perotti cuja fazenda está localizada na região da Colônia Umbu, teriam sido sequestrados por homens fortemente armados que exigiam pagamento 100 mil dólares americanos como para liberação das vítimas.

A situação de imediato mobilizou investigadores da Divisão de Investigações Criminais de Casos Puníveis da Polícia Nacional do Paraguai em Pedro Juan Caballero coordenado pelo comissário Feliciano Martinez, chefe da unidade de investigação policial que conta com o apoio de várias outras unidades de combate ao crime organizado que se deslocaram a região a fim de liberar o brasileiro, seus familiares e funcionários.

Já por volta de 10h, o comissário de polícia Alexander Mendez, informou que os sequestradores teriam liberado sete dos reféns, ficando o filho de Perotti em poder dos sequestradores na região de Capitan Bado, onde disse não ter conhecimento se os familiares do brasileiro teriam pago o resgate.

A cidade paraguaia de Capitan Bado situada na fronteira com Coronel Sapucaia no Mato Grosso do Sul é considerada uma das regiões mais perigosas da fronteira com o estado brasileiro, conhecido pela produção em massa de maconha e sequestros relâmpagos nas quais os brasileiros são os principais alvos de grupos armados do crime organizado que atuam na região, onde os brasileiros estariam pagando “pedágio” para viver e trabalhar.

Esta situação seria de conhecimento das autoridades policiais locais que perderam o controle da situação na região desde a nomeação do comissário Alexander Mendez como chefe da quarta Comissaria de Polícia, nomeado pela sua proximidade com o atual diretor de polícia do estado de Amambay.

*Antônio Coca

Comentários