Alice Roberta eliminou 57kg após cirurgia bariátrica e influenciou marido e filhos a terem uma vida mais saudável

Duas das promessas de Ano Novo mais populares é ser mais saudável e emagrecer no próximo ano. A dona de casa Alice Roberta, de 40 anos, pode dizer que conseguiu cumprir a sua e ainda influenciou o marido e os filhos a seguirem seu exemplo. Fãs de fast food e refrigerante, a família estava bastante acima do peso.

“O refrigerante era o pior. Nós bebíamos muito, era uma garrafa de 2 litros no almoço e outra no jantar, regularmente”, conta ela. “Mudei e acabei mudando os hábitos da minha família. Não dava para continuar daquele jeito”.

A decisão de mudar seu estilo de vida veio, ainda, em 2018, quando procurou o Programa Estadual de Cirurgia Bariátrica. Em fevereiro, ela foi operada pelo Dr. Cid Pitombo, coordenador do Programa e especialista em obesidade. Em quase dez meses, 57kg já foram embora e a autoestima está lá no alto.

Antes e depois: Qualidade de vida e disposição. (Foto: Assessoria de Comunicação)

 Comecei com 125 kg e hoje peso 68 kg. Antes eu não tinha prazer em sair para me divertir com a minha família, foi uma das coisas que a obesidade me tirou. É quase a metade do que eu pesava e a diferença é enorme. Me sinto muito mais disposta e com vontade de aproveitar a vida.

O refrigerante foi o primeiro cortado do cardápio, depois vieram os lanches gordurosos, substituídos por opções mais saudáveis. ” Posso dizer que, com toda certeza, o apoio da minha família foi fundamental. Se os que estão com você não apoiarem fica difícil. Meu esposo, além da alimentação mais saudável, iniciou a atividade física para me acompanhar. Com isso já eliminou 24kg durante esses quase 10 meses e meu filho, com o nosso exemplo, perdeu cerca 9kg”.

Recorde em cirurgias bariátricas

O Programa Estadual de Cirurgia Bariátrica do Rio de Janeiro completou nove anos em 2019 com o recorde mundial de operações realizadas por videolaparoscopia no sistema público de saúde. Mais de 3.000 pacientes passaram por todas as etapas do programa e foram operados através da técnica, mais moderna e menos invasiva, que proporciona melhor recuperação pós cirúrgica. Mais do que um número expressivo, o Programa de Cirurgia Bariátrica, é uma chance de voltar à vida para milhares de pessoas.

“É um trabalho de resgate desses pacientes, realizado com muita dedicação e seriedade por toda a equipe. Devolvemos à sociedade o paciente antes obeso que não trabalhava, que tinha vergonha de comprar roupas e que não tinha mais vida afetiva. Hoje estão empoderados, realizados e com qualidade de vida”, revela Cid Pitombo, referência nacional e internacional no combate à obesidade.

Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2018 foram realizadas 11.402 cirurgias bariátricas pelo Sistema Único de Saúde. Até o mês de maio de 2019 foram realizados 5.073 procedimentos em todo o país. Por aqui, desde 2010, com o Programa de Cirurgia Bariátrica no Hospital Estadual Carlos Chagas, já passaram moradores de todas as regiões do Rio de Janeiro. A média de atendimentos ambulatoriais é de 2.000/mês e a taxa de sucesso é de 99%.

O combate à obesidade no Programa Estadual de Cirurgia Bariátrica é feito por uma equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, psicólogos e nutricionistas. Mais de quatro mil pacientes estão em acompanhamento pré e pós-operatório. Além disso, são realizadas 40 cirurgias mensalmente.

Perfil do especialista – Há quase 25 anos, ao sair da faculdade, Pitombo foi para os Estados Unidos se especializar em cirurgia laparoscópica. Voltou ao Brasil cinco anos depois para aprender sobre cirurgias da obesidade e, ao final do mestrado e doutorado, rodou grandes centros de cirurgia bariátrica nos EUA. Logo percebeu que os conhecimentos sobre laparoscopia e obesidade eram uma área a ser explorada. Juntou-se aos grandes nomes da cirurgia bariátrica, experimentou diferentes técnicas, operou e deu aulas em diversos países e se tornou referência no Brasil em cirurgia bariátrica por videolaparoscopia, técnica que utiliza em todas as unidades em que opera. O procedimento é menos invasivo e proporciona recuperação mais rápida do paciente.

Como ter acesso à bariátrica pelo SUS – Para se candidatar à cirurgia bariátrica no programa do Estado, o paciente deve procurar um atendimento ambulatorial próximo de sua casa para que um médico avalie a necessidade da cirurgia. Se a operação for indicada, o médico da atenção básica deve inserir o paciente na Central Estadual de Regulação, que faz o encaminhamento para o Programa de Cirurgia Bariátrica do dr. Cid Pitombo. As regras da fila são estipuladas pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria de Estado de Saúde.

Assessoria de Comunicação

Comentários