27/11/2014 08h28 – Atualizado em 27/11/2014 08h28

De “Valeu a pena, Galo” a “Marcelo atleticano”, torcida do Galo ecoa no Mineirão e, em minoria, festeja título da Copa do Brasil

Globo Esporte

Eles ainda eram poucos, não mais do que algumas dezenas, quando começaram a provocar os rivais: “Eu sei que você treme sempre que o Galo vai jogar”, no ritmo da música-símbolo da Argentina na última Copa do Mundo. Aos poucos, o Mineirão foi enchendo. Especialmente de cruzeirenses, a imensa maioria, mas também com os atleticanos – que horas depois seriam os donos do pedaço. Um pedaço que os jogadores já chamam de “salão de festas”.

A conquista da Copa do Brasil, nesta quarta-feira, no Mineirão, fez a torcida do Galo (cerca de 1,8 mil pessoas no estádio) se esbaldar. A vitória de 1 a 0, gol de Diego Tardelli, rendeu uma sucessão de canções ora de louvor ao Atlético, ora de provocação ao rival. A minoria foi mais feliz. E fechou a noite cantando mais alto.

Até idos do primeiro tempo, porém, foi um desafio encarar as múltiplas vozes azuis. Antes mesmo de o jogo começar, na hora do hino nacional, o que os atleticanos cantaram foi o hino do Galo. Explica-se: é praxe dos cruzeirenses gritarem muito forte a parte que diz “a imagem do cruzeiro resplandece”. Os visitantes da noite tentaram atrapalhar a tradição dos rivais.

Mas a provocação já era anterior. Antes do apito inicial, quando os dois mascotes do Cruzeiro foram a campo, os atleticanos começaram a brincar:

  • Olha que gracinha, o Raposão pariu a Raposinha!

Veio o jogo, e conforme passava o tempo, mais confortável a torcida do Atlético se sentia – afinal, o relógio corria contra o Cruzeiro. Até que Diego Tardelli, aos 47 minutos do primeiro tempo, fez o gol do Galo. Aí começou de vez a euforia. Para perder o título, só se o Galo levasse quatro gols.

O segundo tempo foi de festa total. O passar do tempo fazia aumentar a voz atleticana.

  • Um, dois, três, essa p… é freguês – provocaram.

  • Cruzeirense otário, pagou ingresso para ver o show do Galo – completaram.

  • Pqp, a Seleção o Fábio nunca viu – ironizaram.

  • Vai embora! Vai embora!

As provocações seguiram. E foram direcionadas ao técnico do Cruzeiro, Marcelo Oliveira, que tem passado ligado ao Atlético-MG.

  • Doutor, eu não me engano, o Marcelo é atleticano!

Em meio às zoações, houve também momentos para manifestar orgulho e agradecimento ao time. Em ritmo de “O Rappa”, a galera cantou:

  • Valeu a pena, Galo! Valeu a pena, Galo!

Até que chegou o apito final. E os atleticanos tiveram certeza da vitória, do título e de que o “salão de festas” era deles novamente.

  • Pula, sai do chão, a maior do Mineirão! Pula, sai do chão, a maior do Mineirão!

Do Mineirão, a festa se espalhou pela cidade, especialmente na Praça Sete, onde milhares de torcedores se concentraram para festejos que fatalmente seguirão ao longo desta quinta-feira.

Torcida do Galo faz a festa no Mineirão ao conquistar a Copa do Brasil de 2014 (Foto: Globoesporte)

Comentários