28/03/2016 10h30 – Atualizado em 28/03/2016 10h30

Monitoramento realizado há nove anos evidencia o manejo florestal sustentável

Assessoria

A Fibria, líder mundial na produção de celulose de eucalipto, opera com foco na melhoria contínua de seus processos, que utilizam as mais reconhecidas práticas de manejo do setor, respeitando o meio ambiente e sua biodiversidade. Alinhado a esse princípio, há nove anos a unidade da empresa em Três Lagoas (MS) realiza o monitoramento da biodiversidade nas suas áreas de atuação e já registrou a presença de 46% do total de espécies de aves existentes no estado.

Esses números foram consolidados com base na plataforma Avibase, que reúne informações sobre todas as aves do mundo. Ela contém 9 milhões de registros sobre cerca de 10 mil espécies e 22 mil subespécies de aves, incluindo informação sobre distribuição, classificação, características fisiológicas, evolutivas, dentre outras informações.

Do total de espécies de aves registradas nas áreas da Fibria no Mato Grosso do Sul, 50 apresentam algum grau de ameaça ou risco de extinção. A informação está disponível em listas de importantes órgãos e instituições ambientais internacionais e nacionais, como o Ministério do Meio Ambiente (MMA), Lista Vermelha da União Internacional pela Conservação da Natureza (IUCN) e Convenção do Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES). As organizações divulgam essas informações no intuito de alertar sobre a importância da preservação das espécies ameaçadas e coibir o comércio ilegal, dentre outras medidas protetivas.

Nas áreas da Fibria o monitoramento consiste em avaliar a passagem e a permanência das espécies nos plantios de eucalipto e na vegetação nativa. A constatação da presença das aves é realizada por equipes de pesquisadores especializados e contemplam observações, registros fotográficos e gravação de cantos que, posteriormente, são identificados e catalogados. A partir desses dados, são gerados índices estatísticos que comprovam a boa condição em que se encontram as áreas florestais, que contribuem para a manutenção das aves na região.

Para o coordenador de Meio Ambiente Florestal da Fibria no Mato Grosso do Sul, Renato Cipriano Rocha, os resultados dos monitoramentos demonstram a importância dos plantios florestais para diversas espécies de aves. “Os estudos evidenciam que durante toda a fase de formação dos plantios há a presença constante de pássaros nas nossas áreas florestais. A colheita em mosaicos, ou seja, dividida em blocos, é uma das práticas do manejo sustentável da Fibria que beneficia a fauna servindo de área de trânsito, conectando fragmentos de vegetação nativa. Dessa forma, as florestas plantadas em diferentes idades auxiliam na manutenção de um ambiente propício para a biodiversidade local”, afirma Rocha.

SOBRE A FIBRIA

Líder mundial na produção de celulose de eucalipto, a Fibria é uma empresa que procura atender, de forma sustentável, à crescente demanda global por produtos oriundos da floresta. Com capacidade produtiva de 5,3 milhões de toneladas anuais de celulose, a companhia conta com unidades industriais localizadas em Aracruz (ES), Jacareí (SP) e Três Lagoas (MS), além de Eunápolis (BA), onde mantém a Veracel em joint-operation com a Stora Enso. A companhia possui 967 mil hectares de florestas, sendo 563 mil hectares de florestas plantadas e 343 mil hectares de áreas de preservação e de conservação ambiental. A celulose produzida pela Fibria é exportada para mais de 40 países. Em maio de 2015, a Fibria anunciou a expansão da unidade de Três Lagoas, que terá uma nova linha com capacidade produtiva de 1,75 milhão de toneladas de celulose por ano, e entra em operação no quarto trimestre de 2017. Saiba mais no site

(*) Assessoria de Imprensa da Fibria / Mato Grosso do Sul

A unidade da empresa em Três Lagoas (MS) O monitoramento da biodiversidade é realizado há nove anos nas suas áreas de atuação e já registrou a presença de 46% do total de espécies de aves existentes no estado (Foto: Assessoria)

A Fibria é uma empresa que procura atender, de forma sustentável, à crescente demanda global por produtos oriundos da floresta (Foto: Assessoria)

Comentários