17/05/2018 09h03

Willams Araújo

Fogo amigo

Parece que o berro dado pelo deputado federal Geraldo Resende repercutiu na cúpula regional do PSDB, a ponto de o governador Reinaldo Azambuja dizer que ainda não há candidatura definida para o Senado dentro de seu grupo político. Até mesmo Marcelo Miglioli, nome lançado com pompa pelo próprio partido, com direito a fotografia oficial, precisa se viabilizar até a data das convenções. Pelo menos foi essa a nova posição do principal líder tucano após as alfinetadas entre o ex-secretário e o parlamentar douradense na briga por espaços.

Rifa

Em relação à participação do ex-prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PTB), em sua chapa majoritária, Reinaldo Azambuja disse o seguinte: “Ninguém hoje pode dizer que tem vaga garantida. Nós vamos discutir isso até a véspera. Nas convenções, aí sim, que as alianças e os partidos vão apresentar os nomes. Mas é com certeza um provável candidato ao Senado”. Presidente do PTB no Estado, Nelsinho garante ter assegurado a vaga em acordo com o alto tucanato.

Diagnóstico

Os casos de câncer e malformação congênita deverão ser obrigatoriamente notificados para as autoridades de saúde, estabelece um projeto (PLC 14/2018) aprovado na quarta-feira pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado. O objetivo é criar um banco de dados confiável sobre estas doenças para facilitar os investimentos e orientar as políticas públicas. Relator do texto, Moka (MDB-MS), que é médico, diz que a medida ajudará a superar os gargalos que impedem cumprimento da Lei dos 60 dias, que assegura o início do tratamento pelo SUS em até dois meses após o diagnóstico de câncer.

Desmanche

Marun (MDB-MS) afirmou na quarta, em Nova York, que espera que o Congresso aprove, ainda neste semestre, o decreto que permite a privatização da Eletrobrás. ” Mesmo que estivesse dado um lucro considerável, isso não deveria mudar o nosso pensamento de que ela precisa ser capitalizada e que o poder público não tem hoje estes recursos e não vejo porque nós tenhamos que gerenciar este trabalho que faz a Eletrobrás”, ao ser perguntado se o resultado da empresa, que apresentou lucro no primeiro trimestre 96% menor que o registrado em 2017, reforça a necessidade de privatizar a companhia.

Medo de que?

Não se sabe por que cargas d’água a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ao ministro Edson Fachin, do STF, que trechos das delações de executivos do grupo J&F não sejam remetidas para a 13ª Vara Federal em Curitiba, comandada pelo juiz Sérgio Moro. Os advogados alegam que os fatos não têm relação com as investigações da Lava Jato e devem ser remetidos para a Justiça Federal em Brasília, onde estão tramitação outros processos envolvendo as delações do grupo.

Comentários