18/11/2006 15h35 – Atualizado em 18/11/2006 15h35

TV Morena

O Fórum Sindical dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul – FST/MS, organismo que integra 162 sindicatos e federações no Estado, lamenta, profundamente, a morte do senador Ramez Tebet (PMDB). Depois de prestar as últimas homenagens ao senador na madrugada de hoje na Assembléia Legislativa, membros do fórum se reuniram pela manhã para avaliar a perda do parlamentar. “Não foi somente Mato Grosso do Sul que perdeu um grande homem público, foi a Nação pois afinal, Ramez sempre lutou por um país melhor, mais justo, melhor desenvolvido”, comentou o coordenador geral do fórum, José Lucas da Silva. Idelmar da Mota Lima, presidente do Sindicato dos Comerciários de Campo Grande e membro da coordenação do FST/MS, também lembrou que Ramez sempre lutou pelo desenvolvimento “…de sua cidade (Três Lagoas), onde foi prefeito; de seu Estado, onde foi vice-governador e governador e de seu País, como presidente do Senado e do Congresso Nacional”. Para o sindicalista, o País está de luto pois Ramez foi um dos poucos políticos não envolvidos em qualquer tipo de irregularidade, corrupção, crime. “Ramez sempre foi um político exemplar, alicerçado nos mais elevados patrões de trabalho e ética”, comentou Idelmar, lembrando também que o senador sempre ouviu e lutou também pelos interesses dos trabalhadores. Exemplo disso foi sua posição no Congresso Nacional contra as reformas sindical e trabalhista, da forma como o governo mandou para aquela Casa, indo em desencontro aos intreresses do trabalhador brasileiro. Membros do FST chegaram a se reunir com o senador em Três Lagoas no início deste ano, para pedir o seu apoio na luta pelos interesses dos trabalhadores. Ramez disse, na ocasião, que nem só votaria a favor dos trabalhadores como também ajudaria a fazer um “lobby” junto aos demais parlamentares, para não deixar que tais matérias fossem aprovadas. Graças a apoios como o de Ramez, os trabalhadores acabaram vencendo o governo na queda de braço, recorda Idelmar. O sindicalista Estevão Rocha dos Santos, também membro da coordenação do FST/MS, lembrou da garra e persistência do senador quando venceu, na década de 90, sério problema de saúde. “Ramez queria muito viver. Não tenho dúvida de que o Senhor, que nos governa, estendeu seu prazo de vida para que continuasse sua luta em benefício de uma sociedade melhor, mais justa, melhor desenvolvida”, comentou o sindicalista.

Comentários