08/12/2018 10h15

Homem estava fazendo serviço de pedreiro quando o criminoso chegou com a conversa que “queria um emprego”. Idoso ainda deu um cigarro para o agressor antes de levar um soco no rosto

Gisele Berto

Um idoso foi agredido na manhã de ontem, 7, na Vila dos Ferroviários, por um homem que se aproximou com o pretexto de “procurar emprego”.

O. A. S, de 63 anos, fazia um contrapiso em uma casa na rua Rio Verde quando entrou um homem dizendo que estava em busca de trabalho. O pedreiro, então, disse que não tinha vaga de emprego no lugar. O homem, então, pediu um cigarro para o idoso. Assim que deu o cigarro, O.A.S voltou ao trabalho – e foi surpreendido por um soco no rosto. Quando caiu, ainda levou um chute nas costas.

O homem, então, roubou a pochete do pedreiro, com um aparelho celular. O pedreiro chamou a polícia e, pela descrição e modo de agir os policiais suspeitaram de um criminoso que costumava agir na região e morava ali perto. Quando a equipe mostrou a foto do suspeito o pedreiro confirmou que se tratava do mesmo homem.

Os policiais fizeram buscas pelo bairro, em casas de parentes e outros locais prováveis. À tarde conseguiram encontrá-lo, ainda com a mesma camiseta que usava no momento do roubo.

O homem, conhecido por Tchebo, estava em frente a residência de sua irmã, na Vila Haro. Com ele estava o aparelho celular do idoso. Evadido do regime semi-aberto, Tchebo confirmou que roubou o homem para comprar crack, droga que estava usando no momento da abordagem policial.

De acordo com a polícia Tchebo suava bastante no momento em que foi detido, estava exaltado e falando muito, ainda sob efeito do crack. Ele foi algemado e levado à delegacia.

Tchebo falou aos policiais que estava sem comer e sem dormir há muito tempo, apenas usando drogas. Quando estava sendo feito boletim de ocorrência, cambaleante e com as pernas fracas, caiu e bateu a cabeça em um banco de concreto na sala da delegacia, o que lhe rendeu um corte no supercílio.

O homem foi, então, levado à UPA, onde foi medicado e liberado, e está à disposição da justiça.

Comentários