21/03/2019 16h31

Alunos da Zona Rural de Guaratinguetá foram barrados por colaboradora de exposição no shopping JK Iguatemi. Segundo diretora, funcionária disse que local é de ‘elite’.

Do G1

A ONG Orientavida informou que demitiu a funcionária que barrou a excursão de alunos de escolas públicas do interior paulista no Shopping JK Iguatemi, no Itaim Bibi, Zona Sul de São Paulo.

O caso ocorreu na última segunda-feira (18), quando 120 crianças, com idades entre 6 a 10 anos, de escolas da Zona Rural de Guaratinguetá tinham ido visitar a exposição sobre os 90 anos do personagem Mickey Mouse no shopping de luxo.

Segundo uma das organizadoras do passeio, a funcionária da ONG responsável pela exposição impediu inicialmente o ingresso das crianças com a alegação de que o local é “um espaço de elite”. A entrada do grupo só foi permitida após negociação.

Josely Gonçalves, professora e diretora de uma das escolas, disse que a funcionária afirmou: “aqui é um shopping elitista, é um shopping de elite”.

“Isso primeiro chocou porque nós nunca tínhamos passado por isso. Foi um choque e depois começou a doer. Dói bastante”, lamentou Josely.

Para ela, o grupo foi discriminado social e racialmente, já que parte das crianças é negra.

“Achei um absurdo”, disse Maria José Espíndola, mãe de alunos.

Os estudantes haviam ganhado a viagem para a capital como prêmio por bom comportamento e desempenho escolar.

O que dizem os citados

Em nota, a Secretaria de Educação de Guaratinguetá informou que “repudia racismo e qualquer forma de discriminação, e continua acompanhando e apoiando educadores e alunos nas providências que julgarem necessárias”.

O shopping JK Iguatemi informou que a exposição é organizada pela equipe da ONG Orientavida e que não compactua com a atitude tomara por uma colaboradora da organização não governamental.

Segundo o shopping, a ONG foi acionada pelo estabelecimento para que reforce o treinamento com sua equipe de recepcionistas. Informou ainda que trabalha para que todos os clientes se sintam acolhidos e bem-vindos.

Disse ainda que o incidente de segunda foi único e que tomou todas as medidas para que não ocorra mais.

A ONG Orientavida, responsável pela exposição, classificou o fato como isolado e pontual. Afirmou que recebeu gratuitamente mais de 2 mil crianças de escolas públicas e comunidades carentes e esse foi o único incidente.

A ONG informou ainda que tomou as medidas necessárias para que o fato não se repita e que a funcionária foi desligada.

ENQUETE

O Perfil News quer saber a sua opinião. Você acha que a demissão da funcionária encerra o caso?

1) Sim, ela foi a única responsável

2) Não, ela obedecia ordens superiores ou não foi treinada corretamente.

Vote neste link na nossa fanpage.

Alunos da rede pública de escolas da zona rural de Guaratinguetá foram barrados em entrada de shopping — Foto: Arquivo Pessoal/Jozeli Gonçalves

Comentários