Vigilância Sanitária esteve no local para analisar a água da caixa d’água que, segundo os funcionários, fede a peixe e é usada para lavar as mãos; operários não teriam álcool gel à disposição

Os operários que trabalham para a Construtora Sial nas obras de construção do Hospital Regional estão com os braços cruzados desde a manhã desta terça-feira, 24.


O motivo seria a falta de condições de higiene oferecida pela contratante. Segundo um dos funcionários, a caixa d’água que era usada pelos operários para lavar as mãos era abastecida com um caminhão-pipa, que carregava água do Rio Paraná no Jupiá, sem nenhum tratamento. De acordo com essa fonte, a água “fedia a peixe”.

Além disso, a empresa não oferecia equipamentos de proteção individual contra o coronavirus aos funcionários, sequer álcool em gel, essencial em tempos de pandemia.

Os operários acionaram a Vigilância Sanitária, que foi ao local para constatar as irregularidades. Um funcionário da Sial, que se identificou como responsável por suprimentos, tentou impedir o acesso dos fiscais, para poder fazer a análise.

Os trabalhos não foram embargados, mas os funcionários se recusam a trabalhar até que a empresa ofereça mais condições.

A Sial é contratada pelo Governo do Estado para as obras civis do Hospital Regional. O Perfil News encaminhou a questão para a Secretaria de Saúde e aguarda resposta.

Comentários