Suspensas por causa da pandemia de Covid-19, as cirurgias eletivas em Mato Grosso do Sul ganharão um fôlego extra no próximo ano, quando forem retomadas. Isso porque o Governo do Estado prepara uma força-tarefa no setor da saúde para desafogar a fila de espera por cirurgias e exames especializados. Segundo o governador Reinaldo Azambuja, a ideia é realizar os procedimentos em 2021, no período pós-pandemia.

“Tivemos que suspender as cirurgias eletivas neste ano por causa da Covid-19 e estamos com um grande represamento na central de regulação. Por isso queremos organizar isso com as macro e microrregiões de saúde de Mato Grosso do Sul, e também com os hospitais que têm estrutura, para ampliar a oferta de cirurgias e exames”, destacou Reinaldo Azambuja.

A informação foi divulgada nesta quarta-feira (16) durante videoconferência com prefeitos, secretários municipais de saúde e presidentes de unidades privadas de saúde, onde o Governo do Estado liberou um socorro emergencial de R$ 27,5 milhões para os municípios ampliarem as ações de enfrentamento à Covid-19.

Reinaldo Azambuja afirmou ao grupo que o objetivo é realizar procedimentos em pessoas que estão na fila da central de regulação. De acordo com ele, o Estado vai custear todos os serviços. “Não terá nenhum ônus aos municípios”, pontuou.

O governador ainda disse que a parceria poderá ser fechada com todas as unidades de saúde que estiverem dispostas a entrar na nova modalidade da Caravana da Saúde.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, o Estado já trata da realização das cirurgias eletivas e dos exames especializados com os hospitais, entre eles a Santa Casa de Campo Grande e o Hospital de Câncer Alfredo Abrão (HCAA).

Entre os procedimentos médicos que devem ser realizados estão as cirurgias ortopédicas de quadril e coluna e as cirurgias oftalmológicas, além de exames oncológicos e de tomografias computadorizadas e ressonâncias magnéticas, entre outros.

Comentários