05/06/2015 09h37 – Atualizado em 05/06/2015 09h37

Uma audiência de conciliação foi intermediada pelo Tribunal de Justiça, onde governo e profissionais da educação chegaram ao entendimento sobre várias reivindicações

Fábio Jorge

Professores e demais servidores das escolas públicas estaduais de Mato Grosso do Sul votaram pelo fim da greve no final da tarde da última quarta-feira (03) em Campo Grande. A assembleia aconteceu na sede da FETEMS, reunindo representantes dos 73 sindicatos base das cidades sul mato-grossense, na expectativa de acatar ou não a proposta apresentada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS).

Embora muito se tenha falado que a classe foi pressionada pelo Tribunal, Roberto Magno Botareli, presidente da FETEMS, esclarece que a decisão foi exclusivamente dos profissionais e que o TJ foi um elo nas negociações com o governo.

Na terça-feira (02), uma audiência de conciliação entre a Federação e a Assessoria Jurídica do Estado foi realizada na intenção de avançar nas negociações. Os professores acataram e concordaram com o acordo e decidiram por maioria, voltar às atividades. As aulas da rede estadual recomeçam na próxima segunda-feira (08).

CONQUISTAS

Sobre o piso salarial dos professores por 20 horas semanais ficou decidido que este ano haverá um reajuste de 69,42%, sendo que até 2021 haverá um acréscimo de 4,37% anualmente. Os trabalhadores conseguiram também o pagamento da diferença de 1/3 de hora-atividade, referente a 2013, previsto no artigo 23 § 3° da Lei Complementar 087/2000, a partir de janeiro de 2016. O governo propôs que este pagamento seja realizado em 11 parcelas. Lembrando que é válido para professores que estavam em sala de aula.

Além disso, foi decidida a prorrogação do concurso do Magistério e administrativo, além de derrubar de vez a proposta que impede servidores administrativos a concorrer eleições para diretor escolar. Após a reunião, a FETEMS também conseguiu a garantia de não corte do ponto dos grevistas, ficando o compromisso de reposição das aulas, conforme o calendário de cada unidade escolar, como determina a legislação.

Os servidores concordaram com o acordo e a maioria votou pelo fim da greve. (foto: Divulgação)

Comentários