16/06/2015 11h01 – Atualizado em 16/06/2015 11h01

Segundo o ADUFMS-Sindicato, metade dos 1,3 mil professores da UFMS em todo o estado aderiu a paralisação.

Da Redação

Metade dos professores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) entraram em greve nesta segunda-feira (15), de acordo com o Sindicato dos Professores das Universidades Federais Brasileiras de Campo Grande, Aquidauana, Bonito, Chapadão do Sul, Corumbá, Coxim, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã e Três Lagoas (ADUFMS-Sindicato).

A UFMS informou que não vai se manifestar sobre as greves. O Ministério da Educação divulgou uma nota dizendo que, este ano, os servidores receberam um reajuste, pelo acordo de 2012. O MEC disse ainda que vem negociando com a categoria e que está aberto ao diálogo.

Nem todos os cursos foram atingidos com a paralisação. Na arquitetura, por exemplo, houve aulas normalmente. Os estudantes dizem que apoiam a greve, mas temem pelos transtornos que o movimento pode causar.

Segundo o ADUFMS-Sindicato, metade dos 1,3 mil professores da UFMS em todo o estado aderiu a paralisação. Os docentes decidiram entrar em greve em uma assembleia realizada na última quarta-feira (10).

Os grevistas pedem um aumento de 27,3% de salário para compensar as perdas com a inflação nos últimos cinco anos. Eles também cobram do governo melhores condições de trabalho, reestruturação da carreira e mais investimentos no ensino superior. Os professores também pedem a definição de uma data-base para as negociações salariais com o governo.

“Nós estamos tentando negociar com o governo desde 2014. O governo já sabia das nossas principais reivindicações, protocolamos nossa pauta de reivindicações em fevereiro deste ano e, até o momento, o governo não tem sinalizado com alguma contraproposta”, afirmou o presidente do ADUFMS-Sindicato, José Carlos da Silva.

Segundo o Diretório Central dos Estudantes (DCE), a maioria dos alunos do curso de letras deixou de frequentar as salas de aula desde a semana passada.

Os servidores administrativos também estão em greve desde o dia 28 de maio. Na próxima quarta-feira (17), os professores querem fazer uma nova assembleia para decidir os rumos do movimento. Em todo o país, 29 universidades estão com funcionários parados.

(*) G1 MS

O Campus de Três Lagoas também aderiu a greve. (Foto: Arquivo/Perfil News)

Comentários