23/06/2015 11h41 – Atualizado em 23/06/2015 11h41

A vítima foi agredida a pauladas por dois adolescentes até a morte; segundo delegado, ele teria cantado um dos menores

Fábio Jorge

O ajudante de pedreiro Gilmar da Silva Santos (40) foi espancado a pauladas até a morte por dois adolescentes em Água Clara e a polícia acredita que o motivo seja homofobia.

De acordo com as informações do delegado Luis Augusto Milani repassadas ao Correio do Estado, por volta das 3h do último sábado (20), a vítima estava em um bar localizado na Rua Gabriel Alves, no bairro Jardim Nova Água Clara, quando chegaram dois menores, um de 14 e 17 anos.

A vítima, que era homossexual, teria dado uma “cantada” no adolescente de 14 anos, e esse foi o ponto inicial para o crime. Uma testemunha relatou à polícia que os menores pegaram pedaços de madeira e começaram a espancar Gilmar, que ainda tentou correr, mas, caiu no chão e as agressões continuaram. Mesmo desacordado, os jovens prosseguiram nas agressões até constatarem que o homem estava já sem vida.

Após o fato, os adolescentes evadiram-se do local e minutos depois, o infrator de 14 anos foi preso em sua residência. Na delegacia, o menor acabou entregando o comparsa. Os policiais foram até a residência do jovem, mas a mãe disse que ele havia chegado e saído novamente.

EXEMPLO DE MÃE

Horas depois, a mãe chegou à delegacia de Polícia Civil juntamente com o filho para prestar as declarações. Ela afirmou ao delegado que ele já deu muita dor de cabeça e já havia cometido muitos delitos. Quando ficou sabendo do fato, disse que não seria conivente, nem passaria a mão na cabeça do filho.

Conforme a publicação, a versão de ambos os infratores seria a mesma. Conforme o relato deles, Gilmar foi ousado e, além disso, teria cuspido e dado um tapa no rosto do adolescente de 17 anos. Em represália, eles partiram para a agressão que culminou na morte do auxiliar.

FICHA LONGA E SANGUE FRIO

O delegado Luis Augusto Milani disse em entrevista que, o adolescente mais velho demonstrou lucidez e frieza durante o depoimento. Ele não aparentava estar sob efeito de álcool ou drogas e dizia não se arrepender do que havia feito. Com tão pouca idade, o menor já é conhecido nos meios policiais e tem diversos registros por atos infracionais como latrocínio, dano, ameaça, furto qualificado, roubo, fuga da casa de custódia e tentativa de homicídio.

Os infratores encontram-se apreendidos na 1ª Delegacia de Água Clara e aguardam decisão judicial para encaminhá-los à UNEI (Unidade Educacional de Internação) para o cumprimento de medida sócio-educativa

Os menores estão apreendidos e aguardam decisão judicial para encaminhamento à Unei (foto: Divulgação)

Comentários