25/04/2016 09h18 – Atualizado em 25/04/2016 09h18

A CPI que investiga se o Cimi (Conselho Indigenista Missionário) banca as invasões de terras produtivas em Mato Grosso do Sul entra em sua fase final esta semana, com mais duas audiências públicas hoje e quarta-feira, quando serão ouvidas mais algumas pessoas envolvidas.

O desfecho final será dado pelo deputado estadual Paulo Corrêa (PR), relator do colegiado. Após isso, somente o MPE (Ministério Público Estadual) dará o devido encaminhamento, ou seja, denunciará o órgão ou não.

SUSPENSÃO

Delcídio do Amaral (sem partido-MS) voltou a pedir na última sexta-feira (22) ao STF (Supremo Tribunal Federal) a suspensão do processo contra ele no Conselho de Ética do Senado.

Um dos delatores da Operação Lava Jato, o senador foi denunciado no Conselho de Ética pelo PPS e pela Rede em razão da acusação de que ele tentou obstruir as investigações do esquema de corrupção que atuava na Petrobras.

XILINDRÓ

Aliás, Delcídio foi preso pela Polícia Federal em novembro do ano passado. Ele ficou 87 dias na cadeia, em Brasília, mas foi solto em fevereiro após fechar acordo de delação premiada.

Desde que foi libertado, o senador não retornou às atividades parlamentares. Neste período, ele apresentou quatro licenças médicas ao Senado, a última delas relativa a uma cirurgia para retirada da vesícula.

DUCHA…

O possível julgamento, pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), de ações que pedem a cassação da chapa encabeçada pela presidente Dilma Rousseff, tendo como vice Michel Temer (PMDB-SP), pode frustrar os ânimos de aliados do peemedebista, principalmente em Mato Grosso do Sul, que já se articulam na composição de ministérios com o iminente afastamento da petista do Palácio do Planalto.

Na prática, uma decisão do TSE pela cassação da chapa majoritária vencedora permitirá novas eleições presidenciais no Pais.

…DE ÁGUA FRIA

Há dias, a ministra Maria Thereza de Assis Moura, do TSE, determinou a busca de novas provas, realização de perícias e coleta de mais depoimentos nas ações apresentadas pelo PSDB que pedem a cassação dos mandatos da presidente Dilma Rousseff e do vice-presidente Michel Temer.

Em Mato Grosso do Sul, o grupo político do ex-governador André Puccinelli (PMDB) já cogita inclusive indicar correligionários para compor ministério caso Temer seja efetivado no cargo. Os nomes dos senadores Waldemir Moka e Simone Tebet surgem com opções de escolha para o Ministério das Cidades.

Comentários