O que pode e o que não pode na rede? Confira abaixo e tome cuidado para não ter o perfil “derrubado”

Ser bloqueado nas redes sociais não é o fim do mundo, mas deixa muita gente chateada. Ser impedido de administrar sua página, publicar e curtir conteúdo, além da incerteza da razão do bloqueio causa dúvidas e até insegurança nas próximas postagens. Como saber o que postar ou não para não passar por uma situação dessas? Quais são os critérios usados pelo facebook para bloquear ou restringir o titular da página?

Em meio a esse caos que são as redes sociais muitas questões são levantadas. É o caso de um internauta que enviou um relato à redação do Site Perfil News.

Ele foi bloqueado no facebook por 30 dias por ter postado em sua rede social um vídeo em que um rapaz aparece fumando e bebendo bebida alcoólica dentro de um elevador.

Na ocasião, o rapaz acende o isqueiro dentro do copo com a bebida e acaba por colocar fogo nele mesmo.

Utilidade pública

“Postei esse vídeo com os dizeres de que a combinação: Álcool e fogo é muito perigoso. Aqui um exemplo de irresponsabilidade (sic), explicou o internauta. Veja o vídeo abaixo:

Ele ainda afirma que entende como de utilidade pública uma postagem como essa. Pois as pessoas tendo ciência do risco que correm, não vão tentar reproduzir na prática o vídeo.

Ele foi restringido de publicar, curtir na página sob a alegação de que o Facebook tem padrões a serem seguidos e entenderam que o vídeo demonstrava violência explícita, o que poderia fazer algumas pessoas se sentirem inseguranças ao navegarem na plataforma.

Critérios

A partir desse bloqueio surgiram as dúvidas de quais são os critérios usados pelo Facebook para bloquear seus participantes. Qual a coerência usada, já que basta procurar para encontrar conteúdo considerado impróprio, como vídeos de acidentes, brigas, execuções e até montagens simulando assassinatos – uma, que até ficou famosa, envolvia o presidente Jair Bolsonaro.

Então, seria o critério que a plataforma emprega para bloquear definitivamente ou restringir temporariamente o usuário de usar a sua página?

O que diz o Facebook

Em uma página interna, a rede social define os Padrões da Comunidade, que determinam o que deve ou não ser publicado na rede.

De acordo com a rede, o objetivo seria garantir uma plataforma “aberta e acolhedora para todos”. Dessa forma, quando é identificado o uso incorreto ou abusivo de algum recurso ou serviço (mesmo que não tenha sido de propósito), haverá o bloqueio temporário do mesmo, normalmente durando de algumas horas a alguns dias.

Para que esses bloqueios não aconteçam, é aconselhável evitar comportamentos que levem a essa ação na plataforma, como por exemplo repetir uma mesma ação inúmeras vezes em um curto prazo de tempo (o que leva a nossa plataforma identificar como um “spam”), realizar comentários ofensivos ou qualquer outra atividade que possa estar em desacordo com as Diretrizes de Comunidade: https://www.facebook.com/communitystandards.

Além dos algoritmos que “leem” digitalmente imagens e conteúdos e os classificam como impróprios sem a intervenção humana, há a possibilidade de denunciar esses conteúdos. Quanto mais denúncias, maior a chance de exclusão de conteúdos que passaram pelo primeiro filtro.

Além disso, o “histórico” do usuário da rede conta. Quanto mais publicações denunciadas e derrubadas ele tem, mais o sistema “fica de olho” no que ele posta, originando suspensões e bloqueios mais rápidos e cada vez mais longos.

Cenas preocupantes

O Facebook exige uma idade mínima de 13 anos para criar uma conta. No entanto, crianças pequenas costumam ter acesso à rede e a lentidão para exclusão de conteúdos “adultos” tem deixado, principalmente, pais preocupados.

Conversando com uma mãe de uma criança de 4 anos e mostrando como é fácil o acesso às postagens de mulheres e adolescentes em fotos de conteúdo adulto ela demonstrou extrema preocupação nas cenas apresentadas.

“Assim como as demais crianças pequenas, minha filha também tem acesso à internet e as redes sociais. Claro que fiscalizo tudo o que ela vê, mas em um minuto de descuido, ela pode ter acesso a imagens que eu como adulta fiquei chocada. Sem falar que na idade que minha filha se encontra, eles querem imitar tudo. Já pensou querendo imitar as vestimentas e as poses picantes encontradas nas redes sociais (sic)”, relatou a mãe.

Partindo desse princípio, ela também questionou sobre os critérios usados para o bloqueio de determinadas postagens.

“Um vídeo que serve para alertar, como o foi o caso do homem no elevador, eles bloqueiam, usando o argumento de que a violência está sendo explícita. Em contrapartida, postagens de mulheres sensualizando e até mesmo focando nas suas partes íntimas não são bloqueadas. É uma grande incoerência que não faz sentido algum”, opinou.

Comentários