16/08/2017 10h07

Empresa enviou documentos à CPI informando que não seguiu obrigações para conseguir benefícios fiscais

Redação

A CPI criada para investigar eventuais irregularidades na concessão de benefícios fiscais, em Mato Grosso do Sul, cancelou a viagem para Ponta Porã, cidade que fica a 323 km da Capital, onde iria fazer uma inspeção na unidade da JBS, no município. A justificativa é que recebeu um documento da empresa reconhecendo que não cumpriu as obrigações no local.

O vice-presidente da CPI, o deputado Eduardo Rocha (PMDB), foi quem repassou a informação, acrescendo que vai ocorrer uma entrevista coletiva nesta manhã (16), a partir das 9h, para explicar os detalhes deste documento enviado pela empresa, que segundo ele, reconhece que não cumpriu as devidas obrigações prevista em contrato, na unidade de Ponta Porã.

Os integrantes da CPI foram avisados ontem (15) no final do dia, pelo presidente da comissão, o deputado Paulo Corrêa (PR), que contou deste documento enviado pela empresa, admitindo que não cumpriu os itens de contrapartida na unidade (Ponta Porã), para ter acesso aos incentivos fiscais do Estado.

A CPI está avaliando o termo de acordo firmado com o governo estadual em 2016, na gestão de Reinaldo Azambuja (PSDB). Neste contrato foi concedido R$ 99 milhões de crédito, que segundo o presidente, pode chegar a um ressarcimento de R$ 250 milhões aos cofres públicos, se for incluído multa e correção monetária.

Entramos em contato com o presidente da CPI, Paulo Corrêa, para saber mais detalhes deste documento, mas ele atendeu as ligações.

(*) Campo Grande News

Deputados Paulo Siufi, Pedro Kemp, Paulo Corrêa, Flávio Kayatt e Eduardo Rocha, durante reunião da CPI (Foto: Wagner Guimarães/ALMS)

Comentários