02/03/2018 09h12

Massagista do Operário, meia do Comercial e o próprio gandula também sofreram punições impostas pelo TJD-MS

Redação

Doze jogos de suspensão. Essa foi a pena determinada pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-MS) ao atacante Jéfferson Reis, do Operário FC, por ter agredido o gandula Tadeu Francisco Kutter na derrota do seu time no último Comerário, caso que ganhou repercussão internacional pela fortes cenas que foram mostradas. A mesma pena foi aplicada ao massagista Raul dos Prazeres Neto, o primeiro à agredir o gandula e o próprio Tadeu foi punido, com 30 dias de suspensão. Outro punido foi o meia Jéferson Baré, do Comercial, com oito partidas.

O caso foi analisado na noite desta quinta-feira (1) e a primeira decisão foi arquivar a denúncia contra Rodrigo Grahl. O atacante, expulso após a confusão, foi citado na súmula pelo árbitro Paulo Henrique Salmázio como agressor de um segundo gandula, mas imagens não mostraram tal situação, que levaram o Tribunal à inocentá-lo.

Os outros citados não escaparam de punição. O único a falar foi Tadeu Kutter, que negou ter sido orientado para fazer um trabalho parcial. Tadeu é também jogador das categorias de base do Colorado e está inscrito como atleta no Estadual. Ele foi denunciado no artigo 258 (assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva) e terá que cumprir suspensão de 30 dias. O meia Jéferson Baré, do Comercial, o primeiro Colorado a entrar na confusão, foi punido com oito jogos de suspensão.

Em relação aos clubes, o Operário foi multado em R$ 1 mil como consequência dos punidos estarem vinculados ao clube e o Comercial recebeu multa de R$ 2 mil por deixar de cumprir ou dificultar o cumprimento de obrigação legal e de regulamento, geral ou especial, de competição, respectivamente, segundo o artigo 191.

(*) Capital News

(Foto: Gustavo Bitencourt/Operário)

(Foto: Divulgação)

Comentários