24/07/2017 15h36

Apesar de a mãe de Ruy (Fiuk) e Ivana (Carol Duarte) ter atitudes questionáveis, a atriz comemora a boa repercussão com o público.

Redação

Monotonia não faz parte da rotina de Maria Fernanda Cândido em “A força do querer”. Há uma semana, sua Joyce descia do salto e quebrava tudo na casa de Irene (Débora Falabella) ao descobrir que a “amiga” era a amante de Eugênio (Dan Stulbach). No capítulo de hoje, a socialite vai quebrar é a cara da falsiane, em uma cena esperada não só pelo público, mas pela própria atriz.

— Eu esperava uma reação da minha personagem no dia em que ela encontrasse Irene. Imaginava algo intenso, porque os sentimentos de raiva, revolta e decepção são grandes. Achei brilhante a forma como Gloria (Perez) escreveu, fazendo Joyce usar seu salto alto para bater na rival. Justo o salto que é a grande arma dela! — brinca Maria Fernanda.

Apesar de a mãe de Ruy (Fiuk) e Ivana (Carol Duarte) ter atitudes questionáveis, a atriz comemora a boa repercussão com o público.

— As pessoas entendem que Joyce tem limitações, defeitos, mas é do bem. Percebo que não conseguem ter muita raiva, mesmo aqueles que reclamam dela — diz Maria Fernanda, que era alertada por muita gente sobre Irene: — Existia essa agonia em relação à amante, as pessoas queriam que Joyce percebesse logo e me cobravam isso. Como também cobravam a relação com Ritinha (Isis Valverde): “Trata melhor a sua nora, ela é tão legal”. Escutava sempre isso.

Durante a discussão com Irene, que vai atentar Joyce no banheiro de um restaurante, é a sereia quem parte para cima da arquiteta em defesa da sogra. A dondoca só finaliza, batendo com o salto em cima da inimiga. Se as feridas da surra ficam evidentes no corpo de Irene, as de Joyce são bem mais profundas:

— É uma dupla traição, porque Irene era a pessoa com quem ela se confidenciava, quem oferecia o ombro para ela desabafar, chorar… A deslealdade de Irene e Eugênio potencializa muito essa dor, esse sentimento de tristeza que a Joyce está sentindo.

“Foi tudo muito maquiavélico”

Maria Fernanda não crucifica Joyce por ter dado ouvidos a Irene, em detrimento aos avisos de Silvana (Lilia Cabral) e Caio (Rodrigo Lombardi), que insistiam em dizer que a arquiteta não prestava.

— Irene cavou essa amizade com Joyce e deu tempo para a relação se solidificar. Foi tudo muito maquiavélico. Joyce considerava Irene uma boa amiga, que dava bons conselhos, que a entendia. E essa é a especialidade da Irene: compreender para achar o ponto fraco do outro — analisa.

A traição do marido não é o único problema que Joyce vai enfrentar. A descoberta de Ivana (Carol Duarte) sobre sua transexualidade vai mexer ainda mais com a socialite.

— Alguns anos atrás, muita gente não entenderia bem a questão do trans. Joyce representa essa parcela. O grande medo dela é que a filha seja lésbica. Acredito que quando a questão aparecer, ela vai passar pelo processo para entender o que é isso — acredita a atriz, que não perdeu a entrevista da transexual Lea T, filha do ex-jogador Toninho Cerezo, no “Conversa com Bial”: — Cerezo contou que assim que recebeu a notícia, levou dias para entender exatamente a questão que a filha estava levando. Com Joyce não será diferente. Vai ser muito difícil.

(*) EXTRA

Joyce aproveita que Irene está dominada por Ritinha e lhe dá com o salto do sapato Foto: Estevam Avellar/Rede Globo/Divulgação

Joyce é ajudada por Ritinha: vingança pela traição de Irene Foto: estevam avellar/rede globo

Eugênio chega ao restaurante e dá de cara com Irene toda machucada Foto: estevam Avellar/rede globo/divulgação

Marilda, Ritinha e Joyce observam a arquiteta sair toda machucada do restaurante Foto: Estevam avellar/rede globo/divulgação

Comentários