16/11/2006 13h11 – Atualizado em 16/11/2006 13h11

O Juiz de Direito da 1ª Vara Criminal de Três Lagoas, Renato Antonio de Liberali, concedeu entrevista exclusiva ao Perfil News para falar sobre a condenação do acusado de tripla tentativa de homicídio ocorrida na última terça-feira, dia 14. Jackson Leandro Bruno da Silva, de 25 anos, foi condenado a 16 anos e quatro meses de reclusão em regime integralmente fechado. O magistrado considerou o resultado do júri popular positivo e disse que serviu de alerta para quem tem arma ilegal. ‘Pessoas de bem acham que ter arma em casa é sinal de segurança’, frisou. ‘Estou a pouco mais de um ano é meio na cidade e não vi caso de condenação de quem praticou uma tentativa de homicídio. Que sirva de exemplo’, completou Liberali. POLÍCIA MILITAR O magistrado é favorável à atividade investigativa realizada pela Polícia Militar que até o momento já retirou cerca de 40 armas das ruas e da mão de bandidos. O juiz criticou a falta de apoio à segurança pública de Três Lagoas no que tange o efetivo policial e viaturas. A crítica foi direcionada a cúpula da Polícia Militar e Civil. Ele argumenta que um efetivo maior na cidade iria propiciar ações mais eficazes no combate ao crime. ‘Todas as ações da PM são benéficas, mas tem de haver aumento de efetivo’, comentou. MAIORIDADE PENA Renato Liberali afirmou se favorável à diminuição da maioridade pena, hoje é de 18 anos. Ele citou como exemplo dois casos de menores que cometeram homicídio. Um dos menores está na UNEI e já constariam quatro homicídios cometidos por ele. Citou ainda o caso de uma garota, de menor, que já matou duas pessoas e está detida em Dourados. Em pesquisa divulgada ontem pela Associação dos Magistrados do Brasil, eles foram unânimes em afirmar que para a redução a impunidade, a grande maioria defende que o preso cumpra um tempo maior da pena para ter direito à progressão de regime. A redução da maioridade penal também é um dos itens com mais apoio entre os juízes. PROGRESSO DE PENA O Juiz foi objetivo em afirmar que não defere pedidos de progresso de pena a condenados. ‘Os pedidos são indeferidos por mim. Os advogados impetram pedido no Tribunal de Justiça, que também negam. Dessa forma eles apelam para o Supremo Tribunal de Justiça (STJ). O STJ encaminha para minha jurisdição e tenho de aceitar a progressão baseado no que é exposto nos relatórios da comissão que analisa caso a caso os detentos que merecem tal progressão’, citou Liberali. Ele é contra a progressão de pena em casos de crimes hediondos. JULGAMENTO Nesta sexta-feira, Renato Liberali, vai presidir mais um julgamento. Desta vez duas pessoas serão julgadas por tentativa de homicídio. O crime aconteceu em abril do ano passado em um bairro na periferia da cidade. O julgamento está previsto para ter início às 8 horas (horário de MS).

Comentários