15/11/2006 15h26 – Atualizado em 15/11/2006 15h26

Folha Online

Um auxiliar de educação foi condenado na noite de segunda-feira (13) pelo 1º Tribunal do Júri de Minas Gerais a 36 anos de prisão por ter matado duas pessoas e tentado matar outras três, da mesma família, em novembro de 2000, em Belo Horizonte. Ele não poderá recorrer da sentença em liberdade.De acordo com o Tribunal, os crimes ocorreram após uma briga entre o réu e sua ex-mulher, sobre o horário em que poderia sair com a filha. Com uma pistola automática, ele matou um cunhado que tentou desarmá-lo; matou uma cunhada que tentou acalmá-lo; atirou contra a sogra e outros dois cunhados –sendo um portador de deficiência mental.Conforme tese do Ministério Público aceita pelos jurados, o réu agiu com recurso que dificultou a defesa das vítimas e por motivo torpe –queria apenas levar a filha consigo.

Comentários