08/01/2019 14h15

Animais faziam parte de estudos da Universidade e são potencialmente perigosos para consumo

Redação

Ladrões invadiram o Campus 2 da UNESP de Ilha Solteira na madrugada desta terça-feira (7) e roubaram 50 espécimes de peixes Piracanjuba, que estavam armazenados em um tanque do curso de Agronomia.

Cerca de 100 quilos de peixes utilizados em pesquisas científicas foram levados pelos criminosos.

O técnico do laboratório de piscicultura da Universidade, Wilder Jordão, afirmou em entrevista ao jornal Diário da Região que o consumo dos peixes furtados não é recomendado, já que faziam parte de experimentos da instituição e recebiam produtos químicos. “São peixes que receberam hormônio, tratamento, por causa do tipo de experimento realizado. Não são destinados ao consumo, mas à pesquisa científica”, destacou Jordão.

Os peixes estavam em uma estufa do campus quando foram furtados. A maioria dos animais era utilizada em pesquisas dos cursos de Zootecnia e Biologia. “Mexeram em peixes de dois experimentos, estragando e atrasando todo o desenvolvimento dessas pesquisas”, disse o técnico. Ainda segundo ele, alguns dos animais levados estavam há quatro anos esperando atingir a maturidade para realização de novas pesquisas.

Um boletim de ocorrência foi registrado e a polícia tenta identificar os autores do crime. O profissional ressaltou a importância de evitar consumir os peixes furtados. “Tem produto nos peixes que pode ser cancerígeno, por isso não é recomendado que se consuma esses peixes. É produto que pode acarretar alguns problemas, por isso não é bom ser consumido por ser humano, nem por animais”, finalizou.

O furto está sendo investigado pela Polícia Civil de Ilha Solteira.

Foto: Prefeitura de Ilha Solteira

Comentários