21/04/2014 13h41 – Atualizado em 21/04/2014 13h41

Cartão postal da cidade – Lagoa Maior – é exemplo da falta de conscientização da maioria dos usuários e cuidados maiores da administração municipal: sujeira é evidente em toda extensão

Léo Lima

O desenvolvimento formidável que Três Lagoas experimenta está sendo prejudicado em seu aspecto urbano. O lixo é notório em toda a cidade. Um dos cartões postais e cuja presença faz parte da denominação do município, a Lagoa Maior é um exemplo da falta de maior atenção por parte das autoridades municipais e principalmente dos que usam o espaço para práticas de lazer, esporte e até para “embalos”.

A natureza também sente a ação dos inconsequentes que teimam em não respeitar o mínimo de cidadania e o que determina o Código de Posturas do Município. A fauna é bastante atingida, já que garrafas plásticas, de vidro, papéis, sacos plásticos e restos de alimentos (salgados, comidas em marmitex etc), preservativos, e outros objetos, são despejados dentro da lagoa e em sua beira.

O visitante que se atreve a frequentar a Lagoa Maior vai encontrar muita sujeira despejada em todo seu redor. Principalmente, nos finais de semana, como o que está terminando nesta segunda-feira (21). Na manhã de hoje, a reportagem do Perfil News esteve no local para registrar o que acontece num feriado prolongado, e teve oportunidade de flagrar muita sujeira e colher opiniões dos frequentadores.

“Faz seis anos que a gente mora aqui e sempre que aproveitamos para vir na Lagoa nos deparamos com essa sujeira. Ninguém se preocupa com a limpeza; dá dó de ver essa sujeira toda prejudicando, não somente quem usa o espaço para caminhar, mas também para os pássaros, as aves, a capivara, o jacaré, e principalmente os peixes”. O comentário é do baiano de Teixeira de Freitas, Josemiro Pereira da Silva, que, junto com a esposa Rita e uma filhinha, faziam caminhada na orla da lagoa.

Mais adiante, o jovem empresário três-lagoense Tiago Eubanque, que fazia exercícios aeróbicos. Sempre usa a lagoa para fazer seus exercícios, “mas todo final de semana é essa sujeira; muita sujeira e tem gente que jogo lixo nas águas da lagoa”. Apontou a necessidade da instalação de maior número de lixeiras para motivar os usuários a depositarem os detritos produzidos por eles em lugar apropriado. “Tem que ter mais lixeiras”, resumiu.

DESRESPEITO ÀS LEIS

Existem determinações da administração municipal para que ciclistas e skatistas não usem a pista de caminhada, nem o gramado. Porém, fazendo pouco caso com a legislação, muitos usuários teimam em desrespeitar as normas. Com isso, o perigo de acidentes é evidente, já que muitas crianças usam o espaço para brincar e podem ser atropeladas pelos inconsequentes.

ANIMAIS NO ESPAÇO

Além dos detritos despejados por alguns usuários, a presença de animais é concorrente para que o espaço ganhe cada vez mais sujeira. É comum a presença de cães, principalmente, acompanhando os donos durante as caminhadas, ou brincadeiras à beira da lagoa. A maioria nem se preocupa em manter o espaço limpo, sem os “cocôs” dos cachorros.

Além disso, cães perigosos também são levados pelos donos. Isto, sem a preocupação em manter os animais em coleiras, com focinheiras, enfim, apetrechos que não permitam que os cachorros (principalmente os das raças pit bull, rottweiler, e outros) ataquem as pessoas, especialmente crianças.

SUJISMUNDOS

Alguns comércios que funcionam em redor da Lagoa Maior também concorrem para que a sujeira tome conta, já que não tem cuidado em limpar suas áreas, antes de fecharem no término do expediente.

Logo que o usuário chega na Lagoa vê o descaso com a limpeza. Nos comércios, cacos de vidro, garrafas e latas jogadas no chão; nas calçadas, a falta de roçado nos canteiros e desleixo na limpeza.

Mas, não é somente na Lagoa Maior que o problema se registra. A falta de consciência de muitos comerciantes é também no centro da cidade. Um ponto comercial localizado a menos de 100 metros da Prefeitura Municipal, na avenida Capitão Olyntho Mancini, é um dos locais onde a sujeira grassa, todas as noites, após o encerramento do atendimento.

No local, o proprietário comercializa alimentos – principalmente espetinhos – e bebidas. Os restos de alimentos e garrafas, papéis, sacos plásticos, são jogados pelos usuários em plena calçada e até na via. Sem se importar com a limpeza, o comerciante fecha o estabelecimento e vai embora, deixando a sujeira para outro dia. De manhã, o transeunte chega a tropeçar nos resíduos.

Esse descaso com a limpeza agride, inclusive, a vizinhança do estabelecimento comercial que tem que conviver com a sujeira em frente às suas portas.

Usuários do espaço da Lagoas Maior convivem com o lixo e ação de inconsequentes que teimam em desrespeitar as normas de cidadania (Foto: Ricardo Ojeda)

Aves e outros exemplares da fauna, convivem com a sujeira dentro da lagoa (Foto: Ricardo Ojeda)

O casal baiano Josemiro e Rita, caminhando pela orla da lagoa, na manhã desta segunda de feriado (Foto: Ricardo Ojeda)

Comentários