20/03/2018 08h04

Willams Araújo

Lar, doce lar

Depois de passar alguns dias vendo o sol nascer quadrado, o ex-secretário de Obras do Estado e ex-deputado federal Edson Giroto ganhou liberdade provisória por decisão da 5ª turma do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), que na segunda concedeu habeas corpus a ele e a outros investigados da Operação Lama Asfáltica – o empresário João Amorim, a ex-secretária e braço direito dele, Elza Cristina Araújo dos Santos Amaral, e à mulher do ex-secretário, Rachel Rosana de Jesus Portela Giroto.

Dia longo

Para os demais envolvidos na Operação Lama Asfáltica, que investiga desvio milionário de dinheiro dos cofres públicos, o dia não passa. Ou seja, o fiscal de Obras da Agesul (Agência Estadual de Empreendimentos), Wilson Roberto Mariano de Oliveira, também preso no último dia 9 de março, a filha dele Mariane Mariano de Oliveira e a filha de Amorim, Ana Paula Amorim Dolzam – ambas em prisão domiciliar – não foram beneficiados com a liberdade provisória. A defesa de Beto Mariano e Mariane aguardava o fim do julgamento para se interar da decisão.

Decisão

Aliás, a 5ª Turma do TRF3 também concedeu em 19 de fevereiro deste ano liberdade provisória ao ex-governador André Puccinelli (MDB) e ao filho dele André Puccinelli Júnior, presos na quinta fase da Operação Lama Asfáltica. A decisão confirma essa liminar do desembargador federal Paulo Fontes, relator do caso. Os investigados e acusados beneficiados pela decisão poderão aguardar e acompanhar o julgamento dos processos em liberdade e estão sujeitos a medidas cautelares, como apresentação mensal em juízo e proibição de deixarem a cidade onde residem por mais de 15 dias sem autorização judicial.

Última bolacha

De passagem por Campo Grande, o senador Álvaro Dias (Podemos-PR) avisou que fará campanha para o juiz aposentado Odilon de Oliveira, pré-candidato do PDT à sucessão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Sincero, foi logo dizendo que abriu mão de privilégios em sua vida política para poder combatê-los, ou seja, para tentar convencer o povão que é diferente dos demais. “Sou o único ex-governador que não recebe aposentadoria especial (…) Porque autoridades tem que ter auxílio-moradia? Porque tem que ter verba indenizatória? Abri mão de tudo isso para poder falar. Então, eu posso falar em combater privilégio das autoridades”, afirmou.

Persona non grata

Gilmar Mendes foi recebido com tomates na chegada a um evento do qual participou na capital paulista. Os tomates foram atirados no carro que conduzia o ministro do STF por um pequeno grupo de manifestantes, que protestava desde o início da manhã de ontem em frente à sede do IDP (Instituto de Direito Público), do qual Mendes é sócio. Aos gritos de “Somos Todos Lava Jato” e “Gilmar Solta Bandidos”, os manifestantes continuaram por algum tempo em frente ao prédio praticando o “tomataço”. Em tempo: teve uma época que era quase impossível fazer esse tipo de desperdício devido ao alto custo do produto.  

Comentários