Vítima seria um homem de 71 anos do Jardim Capilé; prefeitura acionou protocolo de bloqueio do mosquito na região

A Secretaria de Saúde de Três Lagoas divulgou ontem, 12, o registro de mais um caso de leishmaniose visceral humana. A suspeita teria se confirmado, via exames laboratoriais, na última sexta-feira, 8.

A vítima infectada seria um homem de 71 anos de idade, residente no Jardim Capilé. Ele foi diagnosticado, atendido e medicado no Hospital Nossa Senhora Auxiliadora.

Com este novo caso, a cidade chega a sete casos confirmados como positivos da doença. Duas pessoas morreram vítimas da doença na cidade – uma criança de um ano de idade, em 10 de março, e uma mulher de 76 anos, em 14 de setembro.

Bloqueio

 “Feita a investigação deste novo caso, nossas equipes são mobilizadas para uma série de ações, seguindo o procedimento padrão do Ministério da Saúde, entre elas o bloqueio, que é realizado num raio periférico de nove quadras, o equivalente a 900 metros”, explicou a diretora de Vigilância em Saúde e Saneamento da SMS, Geórgia Medeiros de Castro Andrade.

A diretora de Saúde explicou que, entre as ações do bloqueio estão as visitas a todas as residências desse raio de abrangência, com a participação das equipes de Agentes de Endemias, Promoção em Saúde, Entomologia e Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), que realiza também busca ativa de animais doentes, com sintomas da Leishmaniose. Além da residência do paciente diagnosticado com a doença, todas as demais casas dessa área de 900 metros são visitadas.

A Leishmaniose é uma doença não-contagiosa e a transmissão do parasita ocorre através da picada do mosquito fêmea infectado. Os principais sintomas da doença visceral são indisposição, anemia, febre, perda de peso e inchaço no baço, fígado e gânglios linfáticos.

Comentários