23/02/2018 14h40

A partir de março, equipes do Inventário Florestal Nacional visitarão mais de 500 pontos para coletar dados sobre o Cerrado em todo o estado

Redação

O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) começará, em março, a coleta de dados do Inventário Florestal Nacional (IFN) no Cerrado do estado de Mato Grosso do Sul. O objetivo é conhecer não só a quantidade dos recursos florestais como também o estado de conservação, a biodiversidade e a relação da população com as florestas.

Equipes irão percorrer 555 pontos em todo o Cerrado sul-mato-grossense para medir, analisar a saúde e vitalidade das árvores, coletar amostras do solo e de material botânico, entre outros aspectos biofísicos. Além disso, serão realizadas entrevistas com moradores do entorno das áreas pesquisadas para levantar informações sobre sua relação com a floresta e o uso dos recursos, como a utilização dos frutos na alimentação, de abrigo para o gado ou de lenha para cozinhar.

“Produzir informações sobre as florestas é uma forma de valorizá-las, de potencializar o seu manejo sustentável e de influenciar na formulação de políticas que fortaleçam o uso adequado de seus recursos e a permanência das florestas em pé”, explica o diretor de Pesquisa e Informações Florestais do SFB, Joberto Freitas.

Além de Mato Grosso do Sul, o IFN também está dando início à coleta de dados no Cerrado dos estados de Goiás e Mato Grosso, com investimento de R$ 6,5 milhões do Programa de Investimento Florestal (FIP), vinculado ao Fundo de Investimentos Climáticos (CIF), geridos pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Em outros quatro estados o levantamento sobre o Cerrado está em fase final: Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. No Distrito Federal, os resultados já foram publicados. Com isso, a coleta de dados chega a quase 80% de toda a área do bioma no país.

Cerrado

Segundo maior bioma da América do Sul, os números do Cerrado são grandiosos. Ele ocupa uma área de mais de 200 milhões de hectares no Brasil, cerca de 24% do território nacional, e abriga as nascentes das três maiores bacias hidrográficas sul-americanas (Amazônica/Tocantins, do São Francisco e do Prata).

Sua vegetação é considerada a savana mais rica do mundo, abrigando mais de 11 mil espécies de plantas nativas já catalogadas. No entanto, com a crescente pressão para a abertura de novas áreas para a produção de carne e grãos, o Cerrado é um dos biomas brasileiros que mais sofreu alterações com a ocupação humana nas últimas décadas, atrás apenas da Mata Atlântica.

Andamento do IFN

Coordenado pelo Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, o Inventário Florestal Nacional está sendo realizado em todo o país.

O trabalho já foi concluído em 13 estados: Alagoas, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina e Sergipe. Mais de 47 mil amostras botânicas e mais de 9 mil amostras de solo foram coletadas e quase 15 mil pessoas, entrevistadas.

(*) Assessoria de Comunicação

Em outros quatro estados o levantamento sobre o Cerrado está em fase final (Foto/Assessoria)

Comentários