15/05/2015 08h58 – Atualizado em 15/05/2015 08h58

A execução do projeto contará com cerca de 60 fornecedores locais e, ao longo das obras, a Fibria irá promover 500 mil horas de treinamento na área florestal e outras 390 mil horas de treinamento na área Industrial, incluindo a preparação da equipe própria e de terceiros.

Assessoria

Com o anúncio do investimento de R$ 7,7 bilhões feito nesta quinta-feira (14/05) pela Fibria, empresa brasileira de base florestal e líder mundial na produção de celulose de eucalipto, para a ampliação da unidade de Três Lagoas (MS), consolida a cidade como “capital mundial da celulose”, o que, na opinião do presidente da Fiems, Sérgio Longen, é mais uma demonstração de como o setor industrial do Estado está superando a crise econômica nacional.

“Os investimentos têm sido o caminho para superar a crise econômica, os negócios estão acontecendo e isso é uma demonstração clara de que a melhor rota para sair desse mau momento é acreditar e trabalhar para que os investimentos aconteçam e esse anúncio da Fíbria em Três Lagoas, com mais de R$ 7 bilhões de investimento, comprova que vamos superar essa fase dessa forma”, afirmou Sérgio Longen.

Na segunda-feira (11/05), durante coletiva de imprensa no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS), o presidente da Fiems afirmou que o investimento seria a forma mais segura e objetiva para se desviar da crise econômica que o País vem atravessando, sobretudo no setor produtivo. “Na semana passada, tivemos o anúncio da Eldorado Celulose com R$ 8 bilhões de investimento, agora, recebemos essa notícia da Fibria. Isso significa que Mato Grosso do Sul, além de ter vocação para a produção de celulose, principalmente na região de Três Lagoas, ainda demonstra ao Brasil que a melhor forma de superar as dificuldades de produção, que afetam a competitividade, é gerar emprego e ampliar a produção. É importante destacar também que isso é fruto das indústrias irem buscar parceiros no exterior”, completou.

Já o secretário estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck, comemorou a notícia. “É uma informação excelente para o País e para nosso Estado, principalmente, por conta do momento difícil que estamos passando. O PIB Industrial do Estado pode ter um incremento em 3% só com esses investimentos”, afirmou, completando que essas negociações com as duas indústrias de celuloses já estavam acontecendo há quatro meses e, agora, a divulgação do investimento é motivo de alegria para o Governo. “Isso demonstra que estamos acertando nas tratativas e gerando emprego e renda para Mato Grosso do Sul”, pontuou.

Segundo a Fibria, o investimento de R$ 7,7 bilhões vai aumentar a capacidade de produção em 1,75 milhão de toneladas de celulose por ano, que, somados à atual já em operação, a unidade de Três Lagoas chegará a uma capacidade total de 3 milhões de toneladas/ano, transformando-se em um dos maiores sites de produção de celulose de eucalipto do mundo. Com isso, a capacidade total de produção da Fibria, considerando-se todas as suas unidades, passará dos atuais 5,3 milhões de toneladas de celulose/ano para mais de 7 milhões de toneladas de celulose/ano.

Ao longo dos dois anos de execução do projeto serão criados 40 mil empregos diretos e indiretos, sendo que, durante o pico da obra, serão cerca de 10 mil trabalhadores e, quando entrar em operação, a nova linha de celulose da Fibria terá 3 mil postos de trabalho, entre diretos e indiretos. “A ampliação da unidade de Três Lagoas segue a estratégia de crescimento com disciplina da Fibria, que considera uma janela de oportunidade para a entrada de nova capacidade de produção de celulose no mercado em 2018. É com muito orgulho que estamos fazendo esse grande investimento no Brasil, com foco no mercado exportador, contribuindo para a balança comercial brasileira, gerando empregos, melhoria na qualidade de vida e desenvolvimento local, regional e para o País”, afirmou o presidente da Fibria, Marcelo Castelli.

A execução do projeto contará com cerca de 60 fornecedores locais e, ao longo das obras, a Fibria irá promover 500 mil horas de treinamento na área florestal e outras 390 mil horas de treinamento na área Industrial, incluindo a preparação da equipe própria e de terceiros. As obras também terão impacto positivo nas finanças públicas, com estimativa de arrecadação de impostos de cerca de R$ 450 milhões durante a construção. “Senai e IEL estão preparados para esse novo projeto da Fibria, tanto para preparar a mão de obra, quanto para preparar o fornecedor local para atender corretamente a empresa com o nosso Programa de Qualificação de Fornecedores (PQF), do IEL. O Instituto Senai de Inovação de Biomassa (ISI Biomassa) foi pensado e projetado exatamente para contribuir com as condições ideais de expansão dessas industrias, oferecendo tecnologia e inovação para a preparação das pessoas. Com as obras de ampliação que vamos inaugurar na próxima semana, o Senai de Três Lagoas também terá condições de atender a demanda dessas empresas”, finalizou Sérgio Longen.

(*) FIEMS

Fachada da Fibria. (Foto: Assessoria)

Comentários