Escassez de chuvas fez volume dos rios baixar muito; ainda que a estação chuvosa se inicie, a demora na recuperação dos recursos hídricos é de 28 dias

As chuvas dos últimos dias em algumas cidades de Mato Grosso do Sul não supriram a escassez hídrica provocada por aquela que foi a maior seca dos últimos 22 anos, de acordo com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden). Por conta do risco de problemas no abastecimento, o governador Reinaldo Azambuja decretou por 60 dias situação de emergência no Estado.

De acordo com a meteorologista Franciane Rodrigues, do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima (Cemtec), desde 22 de agosto o Estado não recebia chuvas significativas. O decreto de emergência foi publicado nesta segunda-feira (19) no Diário Oficial.

O coordenador estadual da Defesa Civil, tenente-coronel Fábio Catarinelli, explicou que a população deve fazer uso racional da água. “O último boletim do Serviço Geológico Brasileiro afirma que, ainda que a estação chuvosa se inicie, a demora na recuperação dos nossos recursos hídricos é de 28 dias. Nossos rios estão muito baixos e o volume só vai ser recuperado se houver uma regularidade das chuvas nas cabeceiras. Por isso, neste momento é muito importante que as pessoas economizem água para que não falte”, disse. 

O decreto de emergência favorece ações emergenciais do poder público para evitar a falta d’água para a população. 

Comentários