02/01/2019 10h09

Marun afirma que Bolsonaro não confirma anulação de indicação

Ex-ministro disse que conversou com presidente momento antes da transição de posse

Redação

Ex-ministro do governo Michel Temer, Carlos Marun (MDB), momentos antes de transmitir cargo de ministro, declarou que o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PSL) não anulou a indicação do ex-presidente, em que Marun é nomeado para conselheiro da Itaipu Nacional. “Estive com o presidente (Bolsonaro) agora, momentos antes, durante a transição de posse e ele não me falou nada”, disser Marun.

No último dia de mandato, Temer exonerou Carlos Marun do cargo de ministro-chefe da Secretaria de Governo e o nomeou para exercer a função de conselheiro da Itaipu Binacional, com mandato até 16 de maio de 2020. O salário está entre R$ 20 mil e R$ 25 mil e o colegiado se reúne a cada dois meses.

Apesar de lamentar, Marun disse que vai respeitar a possível anulação de Bolsonaro. “Reconheço que eu que sempre fui defensor das prerrogativas dos poderes e conheço a prerrogativa que tem o presidente Bolsonaro e se ele ver esse ato e assim entender producente e dizer que seria indiferente, eu espero que não faça isso, mas é vida que segue”, declarou Marun.

A nomeação do ex-ministro está publicada no Diário Oficial da União e a mesma publicação trazia ainda a exoneração de Frederico Matos de Oliveira da função de conselheiro da Itaipu, “em virtude de renúncia”, e do diplomata Marcos Bezerra Abbott Galvão da função de representante do Ministério das Relações Exteriores (MRE).

Marun justificou sua nomeação devido a sua extensa experiência com os Poderes. “Aceitei porque penso que é muito importante para o MS, em segundo lugar, tenho condições de exercer essa função, sou engenheiro, advogado, tenho relações do Brasil com o Paraguai. Conheço Itaipu desde quando eu era estagiário, andando e visitando a obra. Já servi tanto o Executivo quanto o Legislativo nas três esferas. Fui vereador, deputado estadual e federal, fui secretário municipal e estadual, estou capacitado para o desenvolvimento da função”, justificou.

No governo de Bolsonaro, o substituto de Marun será o ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz, general de divisão da reserva do Exército Brasileiro, que foi Secretário Nacional de Segurança Pública e comandante das forças da ONU no Haiti e no Congo.

(*) Correio do Estado

Comentários