26/08/2014 14h41 – Atualizado em 26/08/2014 14h41

Polícia concluiu inquérito sobre caso em Coronel Sapucaia na segunda (25). Caso seja condenado, suspeito pode pegar até 180 anos de prisão

Da Redação

A Polícia Civil concluiu, na segunda-feira (25), o inquérito sobre o incêndio que provocou a morte de seis pessoas em Coronel Sapucaia, no dia 2 de maio.

O mecânico Edson da Silva foi indiciado por homicídio qualificado pela morte da esposa, da sogra, do cunhado e dos três filhos de 9 meses, 5 e 10 anos. À polícia, ele confessou que deu pauladas em todos e, em seguida, incendiou a conveniência da família por ciúmes.

Segundo a polícia, o suspeito cometeu o crime sozinho e está preso no presídio de Dourados. Caso seja condenado, pode pegar até 180 anos de prisão.

INCÊNDIO

Segundo a Polícia Civil, o incêndio começou por volta das 8h30 (de MS) do dia 2 de maio. Militares do Corpo de Bombeiros foram acionados para combater as chamas no estabelecimento comercial, que fica no mesmo terreno da casa das vítimas, na avenida Internacional.

Na parte da frente da estrutura funcionava uma conveniência, que estava fechada, no momento do incêndio. Segundo os bombeiros, o imóvel tinha 120 metros quadrados, sendo parte em madeira e outra em alvenaria. Tudo foi consumido pelo fogo.

Os corpos das seis vítimas foram enterrados no dia 4 de maio. A prefeitura do município chegou a decretar luto oficial de três dias por causa da tragédia.

Silva foi preso no dia 10 de junho em Naviraí. A polícia chegou a fazer a reconstituição do crime no dia 16 de junho.

Em entrevista Silva declarou: “É uma tragédia que não tem nem como falar. Agora é começar tudo de novo”, afirmou. Laudo necroscópico aponta que as vítimas morreram por asfixia e não apresentavam lesões ou envenenamento.

(*)Com informação de G1 MS

Mecânico foi indiciado por homicídio qualificado (Foto: Vilson Nascimento/ A Gazetanews)

Comentários