14/06/2019 15h26

Acidente aconteceu em março de 2018. A garotinha de apenas 4 anos tem a mesma rotina que qualquer criança de sua idade

Guta Rufino

Quem acompanhou as notícias no início do ano passado em Três Lagoas, ficou sabendo de um acidente de transito na Vila Haro envolvendo uma criança de três anos. Melina Pereira de Oliveira, carinhosamente chamada de Mel, que hoje tem 4 anos. Ela teve que passar por uma cirurgia e amputar a perna esquerda depois de ter sido arrastada e prensada em uma parede por um carro. Pouco mais de um ano se passou, e a reportagem do Perfil News foi até a casa de Melina conferir um pouco da rotina da garotinha que não ficou com traumas, nem limitações nas brincadeiras e tarefas diárias. Ela é o exemplo de que temos que aprender a com as crianças a superar nossos traumas e dificuldades.

A mãe de Melina, Rafaela Pereira, 30, precisou deixar o emprego para cuidar da filha. Hoje ela trabalha por conta, fazendo artesanatos em biscuit, atendendo encomendas e pronto entregas. Rafaela explica que apesar do processo de recuperação, que durou alguns meses, nenhuma adaptação precisou ser feita na estrutura da casa ou na rotina de Melina. “Ela se vira melhor que meus filhos mais velhos. Ela toma banho sozinha, pega água sozinha, não gosta que ninguém ajuda ela. Super independente”, contou agradecida.

Melina é como qualquer criança de sua idade. Pela manhã ela brinca o dia todo. Anda de bicicleta, brinca no balanço, pula-pula, joga bola, dança, desenha, tudo junto da melhor amiga, a irmã Isadora. No período da tarde ela vai à escola. Melina estuda no Pré 1 em um CEI (Centro de Educação Infantil), 8 quadras de sua casa. “Ela tem prótese, mas não gosta de usar. Ela também se recusa ir na cadeira de rodas. Gosta de ir de muleta porque para ela é melhor para se locomover e brincar no intervalo das aulas. Ela se vira muito bem sem a muletas também. Ela é terrível”, disse a mãe, sorrindo.

Confira abaixo alguns vídeos que mostram a rotina alegre de Melina:

RELEMBRE O CASO

O acidente aconteceu no dia 4 de março do anos passado, na rua Irmãos Spineli, no bairro Vila Haro. Melina Pereira de Oliveira, na época com 3 anos, estava na calçada da residência de sua tia quando foi atingida por um veículo Cross Fox e prensada contra a parede da casa. “Nós estávamos entre amigos e familiares fazendo um bolo e as crianças brincando. A Melina saiu na calçada para buscar uma massinha que tinha caído lá fora e nesse momento que aconteceu o acidente. Ele prensou a mel na parede da casa da minha cunhada. Foi tudo muito rápido”, relembrou

Ela foi socorrida, precisou passar por uma cirurgia e amputar a perna esquerda.

Rafaela contou também que Melina, os irmãos (Isadora, 7; Eduardo, 9; Vinícius, 13) e os amiguinhos que presenciaram o acidente superaram o trauma em pouco tempo. “Me preocupei muito com isso. A Mel lembra do acidente, mas nada mudou, parece até que as habilidades dela aumentaram, ela não tem limitação para nada. Graças a Deus”, explicou.

Na época o condutor do veículo que atropelou Melina foi detido, prestou esclarecimentos na delegacia e após pagar R$ 1 mil de fiança foi liberado. Após alguns meses a justiça determinou que esse dinheiro fosse revertido para a família da garotinha. Mas apesar da prisão preventiva dele ter sido decretada em março, em maio, houve uma revogação na decisão e a justiça concedeu liberdade ao condutor do veículo, que na época se recusou a fazer o teste do bafômetro.

A mãe de Melina, possui uma ação na justiça solicitando uma indenização pelo acontecido. O DPVAT (Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres), ainda não foi pago à criança, vítima do acidente.


Melina é o exemplo de que temos que aprender a com as crianças a superar nossos traumas e dificuldades (Foto: Guta Rufino/Perfil News)

Melinja, Rafaela (mãe), Isadora (irmã) (Foto: Guta Rufino/Perfil News)




Comentários