17/06/2015 08h47 – Atualizado em 17/06/2015 08h47

‘Menina dos olhos’ de partidos e de políticos em condições de disputá-la, a prefeitura da Capital passou a ser cobiçada até por quem não tem nenhuma chance de chegar até lá. É o ‘efeito Bernal’, dizem especialistas da política, que creditam essa febre de pré-candidaturas à vitória do progressista, em 2012, quando ninguém acreditava que isso fosse possível. Mas como diz antigo ditado de que ‘cachorro mordido de cobra tem medo de linguiça’, nem aquele eleitor mais incauto vai se deixar trair dessa vez.

CARTADAS

Sabedores da importância de vencer a eleição em Campo Grande, os tucanos vêm com tudo para essa disputa e, assim, esperar 2018 em posição bem mais confortável. A sombra que paira sobre eles pode sumir diante de uma vitória na Capital. Uma derrota, no entanto, pode fazer essa sombra aumentar e colocá-los em situação de alerta máximo. As peças recém começaram a ser postas no tabuleiro para o jogo que vai começar. Os blefes nesse período são normais e, às vezes, decidem a partida.

DESVANTAGEM

São esperadas para a disputa da prefeitura da Capital pelo menos quatro grandes candidaturas. PSDB, PT, PMDB e o futuro partido que vai abrigar os irmãos Trad estão nesse páreo. Entre todos eles, os mais desgastados são PT e PMDB, cuja união em nível federal tem traduzido em muita rejeição às duas legendas.

Segundo analistas, caso não haja uma recuperação da economia do país até o início do ano que vem, os dois estão fadados ao fracasso não só aqui, mas também no interior do Estado.

ARREDIA

Intriga os deputados estaduais o fato de a diretoria da Energisa (concessionária dos serviços de energia elétrica que sucedeu a Enersul) lutar tanto para tirar o seu nome da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) criada pela Assembleia Legislativa para investigar o desvio de R$ 700 milhões dos cofres da empresa.

Ocorre que, após pressão, o colegiado foi suspenso por decisão liminar a pedido da empresa, mesmo o MPE tendo dado parecer pelo trâmite normal da ação.

ONLINE

Em julho, a OAB/MS promoverá a unificação de alguns procedimentos como parte da implantação do processo eletrônico na Seccional. Segundo o presidente Júlio César de Souza, o sistema proporcionará o melhor gerenciamento de setores internos e integração com o público externo, otimizando o atendimento e a elaboração dos processos para os advogados.

Para sua ativação, o atendimento aos advogados na sede da Ordem, em Campo Grande, será suspenso no dia 3 de julho, havendo apenas expediente interno.

Comentários