10/05/2016 18h12 – Atualizado em 10/05/2016 18h12

Para representante do Sindicato do Comércio Varejista de Três Lagoas (Sindivarejo) consumidores se planejaram para comprar o presente do Dia das Mães

Ariane Pontes

O domingo de Dias das Mães foi positivo para o comércio de Três Lagoas, as vendas deste ano superaram as do ano passado, segundo informou o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Três Lagoas (Sindivarejo), Sueide Silva Torres.

Em Três Lagoas o feriado é considerado a terceira e algumas vezes, até a segunda data comemorativa mais lucrativa para o comércio, perdendo para o Natal e Dia dos Namorados, ressaltou Sueide.

Este ano a forma de pagamento mais utilizada pelos consumidores foi à vista, seguido pela opção crédito em uma vez. “Os lojistas informaram que poucas pessoas optaram em parcelar as compras, uma opção muito requisitada nesta época”, disse o presidente.

Para Sueide um dos fatores que contribuíram para esse aumento contrariando o cenário nacional, foi a cautela por parte dos filhos e filhas: ” As vendas foram melhores do que esperávamos,felizmente. Com o momento que vivemos os consumidores está gastando menos, planejando mais seus custos, e certamente o presente do Dia das Mães fez parte desse planejamento”, explicou.

CONTRAMÃO

Diferentemente do que aconteceu em Três Lagoas, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) registrou houve queda de 7% no faturamento em relação à data do ano anterior. E a opção escolhida pela maioria dos consumidores foi o cartão de crédito, na forma parcelada, com 68% das compras, apenas 29% pagaram a vista.

BRASIL

A federação informou que o faturamento total do comércio no país deve ter sido 12% menor em 2016 do que no mesmo período do ano anterior (descontada a inflação), o que equivale a uma perda de aproximadamente R$ 5,1 bilhões.

Dados da Boa Vista SCPC mostram que, em 2016, as vendas do comércio brasileiro para o Dia das Mães recuaram 4,6% em relação ao ano passado. Com isso, a segunda data comemorativa mais importante do ano não foi animadora para os varejistas, uma vez que apresentou um recuo das vendas ainda maior do que a queda de 1,2% registrada no mesmo período de 2015.

Presidente do Comércio Varejista, Sueide Silva Torres. (Foto: Arquivo Perfil News

Comentários