09/01/2013 14h11 – Atualizado em 09/01/2013 14h11

Indústria têxtil e do vestuário de MS estima crescimento de 3% para 2013

Na prática, a projeção vai elevar de R$ 951,4 milhões movimentados em 2012 para R$ 980 milhões, de acordo com cálculos do Radar Industrial da Fiems.

Da Redação

Com mais de 356 indústrias instaladas em Mato Grosso do Sul e 9.397 trabalhadores, o segmento da indústria têxtil e do vestuário estima um crescimento de 3% para este ano, caso mantenha a conjuntura atual da economia, de acordo com avaliação do presidente do Sindivest/MS (Sindicato Intermunicipal das Indústrias do Vestuário, Tecelagem e Fiação de Mato Grosso do Sul), José Francisco Veloso Ribeiro. Na prática, a projeção vai elevar de R$ 951,4 milhões movimentados em 2012 para R$ 980 milhões, de acordo com cálculos do Radar Industrial da Fiems.

Ainda conforme José Francisco Veloso, para a atração de novas indústrias e a manutenção das que já estão instaladas é preciso cuidado do Poder Público no que diz respeito aos incentivos para os industriais. “O Governo precisa desonerar os impostos e ampliar os incentivos para setor produtivo em Mato Grosso do Sul para que possamos atrair mais indústrias, gerar mais empregos e aumentar a renda dos trabalhadores”, disse.

Segundo ele, por conta da proximidade da Copa do Mundo de 2014, as empresas que trabalham com a linha esportiva, acessórios e produtos personalizados poderão trabalhar também focada no tema e ampliar seus negócios. “Teremos um ambiente favorável para isso e o empresário que buscar esse caminho poderá ter destaque”, disse.

AÇÕES

Ele destacou que na outra ponta o esforço do Sistema Fiems no que tange à qualificação tem mudado o cenário do chão de fábrica. “Tivemos no ano passado inúmeras costureiras industriais formadas pelo Programa Ação Fiems, que leva qualificação aos bairros da Capital, e nas unidades do Senai em todo Estado por meio de unidades móveis e treinamentos nas fábricas, proporcionando a melhoria da qualidade de vida da população, atendendo a demanda industrial e resgatando a cidadania”, declarou.

O presidente do Sindivest chamou a atenção para o cuidado do Programa em formar as costureiras e ainda facilitar o encaminhamento às indústrias parceiras para fazer a entrevista de emprego. “Sem dúvidas essa é uma iniciativa que vem oferecer apoio integral à produção no setor de confecção, valorizando quem está sendo qualificado e as indústrias”, disse.

Sobre as demais ações desenvolvidas pelo Sindicato e que devem ter continuidade neste ano, ele destacou a parceria com o Senai/Cetiqt, Sebrae, Apex e ABIT para o projeto de consultoria em indústrias de confecção. Além disso, tem o treinamento e serviços do uso do Sistema CAD disponibilizado pelo Senai, o projeto na Ponta da Linha, desenvolvido com Sindivest, Sebrae, Senai, a ampliação da estrutura e dos serviços do CTV (Centro Tecnológico do Vestuário) em Campo Grande, o atendimento nas áreas de saúde e lazer por meio de parceria com o Sesi, o encaminhamento pelo IEL de estagiários às indústrias, e o Projeto Centro-Oeste Competitivo, envolvendo a cadeia produtiva do vestuário, entre outros.

(*)Informações da Assessoria de Comunicação

Comentários