03/10/2017 10h51

Empresa de Saneamento Básico do Estado registrou 2.341 infrações até agosto, 4,60% a mais que 2016 que teve 2.238 casos.

Ygor Andrade

O período de estiagem sempre traz à tona algumas preocupações, como queimadas, problemas respiratórios e também com os recursos hídricos.

Este terceiro caso, no entanto, é minimizado e deixado de lado ao primeiro sinal de chuva. Contudo, ainda existem outros fatores que devem ser levados em consideração e ser tornarem motivos de preocupação em relação aos recursos naturais. O desperdício é um deles.

Quando se fala em desperdício, a primeira coisa que o leitor imagina é a mangueira ligada no jardim de casa ou aquele banho demorado. Mas ainda há outro ponto abordado, e o Perfil News destaca uma parte dos problemas que os famosos “gatos” podem causar.

A Sanesul, Empresa de Saneamento Básico do Mato Grosso do Sul, respondeu aos questionamentos da reportagem e divulgando alguns dados relevantes, como os valores médios cobrados na cidade. A conta média por ligação em Três Lagoas é de R$80,00, já o consumo médio por ligação é de doze reais e cinquenta centavos, enquanto o média da conta do esgoto é de R$36,84.

Falando especificamente das ligações clandestinas – um problema que afeta não somente o Mato Grosso do Sul e Três Lagoas – a Sanesul informou que, em 2016 registrou 2.238 infrações, com multas atingindo valores muito altos. Em junho de 2016, por exemplo, foram registradas 169 infrações com o valor de multas aplicadas chegando a R$115.208,52. O mês com menor índice de fraudes registradas foi julho (118), mas obteve o segundo valor mais alto em multas, chegando a R$106.424,74.

No total, o ano de 2016, contabilizando as 2.238 infrações registradas “arrecadou” em multas o valor de R$ 695.737,10.

Já em 2017, a conta pode ficar ainda maior, tendo em vista que, o mês de publicação desta matéria é outubro e a Sanesul enviou balanço feito até agosto. Foram 2.341 infrações registradas, ou seja, 103 a mais, contabilizando um aumento de 4,60% nos “gatos” registrados.

Até o momento o mês de junho segue com o número de casos registrados que renderam maiores valores em multas, seguindo o mesmo padrão de 2016. Foram assinalados 404 casos que resultaram em R$103.758,26. Julho também não fugiu à regra e registrou 340 infrações contabilizando R$101.388,65. Até o momento, a Sanesul contabilizou R$409.228,63 em multas.

“Cabe ressaltar que, as ligações clandestinas burlam a cobrança das tarifas pelo consumo mensal da água. O “gato” e toda infração causada propositadamente pelo usuário, com o intuito de distorcer o real consumo de água, é irregular e ilegal. Porém, os prejuízos não são só financeiros, mas também ambientais”, destacou a Sanesul, lembrando o caso da escassez de recursos hídricos.

“Quando a fraude é comprovada, o usuário é notificado, paga multa, além arcar com os custos de um possível dano ou violação. Além disso, se for flagrado pela Polícia Civil, responde por crime de furto (Art. 155 do Código Penal)”, finalizou a empresa.

“Quando a fraude é comprovada, o usuário é notificado, paga multa, além arcar com os custos de um possível dano ou violação. Além disso, se for flagrado pela Polícia Civil, responde por crime de furto (Art. 155 do Código Penal)” - (FOTO: Internet).

Tabela mostra dados detalhados de cada mês dos anos de 2016 (até dezembro) e 2017 (até agosto).

Comentários