16/05/2013 09h53 – Atualizado em 16/05/2013 09h53

Descontente com o índice proposto, de 7%, a categoria anunciou que irá fazer uma greve geral a partir de sexta-feira

Presidente da Sinpol usou a tribuna da Assembleia Legislativa para criticar a proposta salarial do governo para a categoria

Ricardo Mendes

O presidente do Sinpol/MS (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul), Alexandre Barbosa da Silva, usou a tribuna da Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (15/5) para criticar a proposta salarial do governo para a categoria e pedir para a Assembleia Legislativa não aprovar o projeto que for remetido à Casa de Leis.

Descontente com o índice proposto, de 7%, a categoria anunciou que irá fazer uma greve geral a partir de sexta-feira (17/5) por melhores salários e condições de trabalho. “Está em jogo a vida de toda a população, porque tudo isso afeta a segurança pública”, disse.

Segundo Alexandre Barbosa, o governador André Puccinelli teria decidido extinguir a 4ª classe da Polícia Civil, que é a inicial. “Achamos um absurdo”, declarou.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Jerson Domingos (PMDB), garantiu que isso não irá acontecer. “Está totalmente fora de questão”, afirmou.

Líder do PR na Casa de Leis, o deputado estadual Paulo Corrêa alertou que existe uma divisão dentro da Polícia Civil e que isso enfraquece e dificulta as negociações. “Acho que há um erro na condição das negociações. No ano que vem, a categoria tem que começar a discutir pela Assembleia Legislativa”, sugeriu.

Alexandre Barbosa da Silva, presidente do Sinpol, ocupou a tribuna para anunciar que categoria fará greve a partir de sexta-feira (Foto: Giuliano Lopes)

Comentários