18/11/2006 12h06 – Atualizado em 18/11/2006 12h06

Estadão

A seleção brasileira feminina de vôlei, vice campeã mundial, foi recebida com palmas pelos fãs que estiveram neste sábado no desembarque da equipe, no Aeroporto de Guarulhos. Chateadas com a perda na final para Rússia, por 3 sets a 2, as jogadoras preferiram culpar pequenos detalhes da partida pela derrota.

“Perdemos por detalhes. Falhamos e perdemos. Isso faz parte do jogo”, comentou a oposto Sheila. “E a Rússia também mereceu. É difícil falar isso agora, mas elas também mereceram”, conclui. “Foi uma fatalidade, sinto que é uma prata com gosto de ouro. Todo o Brasil viu que a gente lutou”, completou a ponta Jaqueline.

O técnico da seleção, José Roberto Guimarães, como fizera após a partida no Japão, optou por parabenizar o desempenho de suas atletas, que chegaram invictas à final. “Foi um pecado não termos vencido esse jogo, por tudo que fizemos no campeonato”, opinou.

A levantadora Fofão ressaltou o espírito de luta da equipe que, na opinião dela, não desistiu da partida em nenhum momento. Mesmo assim, a experiente jogadora acha que houve excesso de vontade nos momentos finais do tie-break, quando o Brasil vencia por 13 a 11. “A gente estava com dois pontos na frente e teve muita ansiedade, precipitou um pouco as coisas, e não conseguiu fechar”, disse Fofão. “foi importante a luta que tivemos, só que mais uma vez a gente não conseguiu o título”, lamentou a jogadora, que não deve mais disputar Mundiais pela seleção.

Essa foi a segunda derrota em momentos decisivos da seleção brasileira para a Rússia em dois anos. Nas Olimpíadas de Atenas, em 2004, as brasileiras perderam na semifinal, quando venciam por 2 sets a 1 e tinham 24 a 19 no quarto set. Para Fofão, o jogo de Atenas “nem passou pela cabeça”. “Por coincidência, mais uma vez a Rússia esteve no caminho”, disse a levantadora. “Nós as vencemos dias antes da final, e depois perdemos. Esse é o esporte”, disse.

Comentários