23/01/2019 06h58

Eldorado recebe licença ambiental para instalar usina de biomassa em Três Lagoas

Construção deve começar em março e a nova usina deve gerar cerca de mil empregos diretos e indiretos na fase de instalação

 
Gisele Berto
Entrega das licenças aconteceu ontem em Campo Grande. Foto: Divulgação Imasul. Entrega das licenças aconteceu ontem em Campo Grande. Foto: Divulgação Imasul.

A Eldorado Brasil recebeu ontem, 22, a Licença Ambiental autorizando a instalação de uma Usina Termelétrica (UTE) movida a partir da biomassa do eucalipto em Três Lagoas. O empreendimento terá investimento estimado de R$ 320 milhões e deve gerar mil empregos diretos e indiretos na fase de instalação.

A licença foi entregue pelo secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, e pelo diretor presidente do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), Ricardo Eboli.

A construção da usina deve começar em março e será a primeira usina geradora de energia a partir de biomassa de eucalipto a entrar em operação em Mato Grosso do Sul. Com ela, deve se iniciar uma nova fase na silvicultura estadual.

Inicialmente a usina estava estava prevista para ser instalada em Selvíria, porém estudos apontaram que o local ideal para o empreendimento seria Três Lagoas, o que levou a empresa a solicitar nova licença, explicou o coordenador de Sustentabilidade da Eldorado Brasil, Fábio José de Paula. A capacidade da UTE será de 50MW.

O projeto é importante para a base de diversificação de uso dos restos florestais, como folhas, raízes, cascas, demais subprodutos da madeira que não serve para produzir celulose.

A biomassa se transforma em energia a partir da combustão de material orgânico. É uma maneira bastante limpa de produção energética e de enorme ganho ambiental, considerando que todo este material provocaria algum tipo de impacto à natureza ao se decompor.

Mais licenças

A Eldorado Brasil também solicitou licença para fazer melhoria no tratamento dos resíduos, processo conhecido por queima do lodo biológico. Isso melhora a performance ambiental da empresa. "Outras empresas de celulose no país já têm adotado essa tecnologia e agora a Eldorado também está autorizada a fazer dessa forma", disse Verruck.

Na mesma ocasião, o gerente de Sustentabilidade da Eldorado levou nova licença para instalação da Linha 2 da empresa, que estava vencida. As obras estão paralisadas, sem data para retomada. A solicitação de renovação da licença não significa, de imediato, que o projeto seja reiniciado, observou o secretário. A previsão iniciar era de investimento superior a R$ 8 bilhões.

Por fim, outra licença solicitada pela Eldorado foi para ampliação da capacidade atual existente na planta de Três Lagoas. Esse é um procedimento cautelar comum nas empresas, explicou o secretário, tendo em vista que precisam estar autorizadas a ampliar a capacidade produtiva e isso pode ocorrer a qualquer momento por demanda de mercado.

*Com informações do site do Imasul

Envie seu Comentário