19/03/2019 14h32

Prefeitura investe mais de R$ 1,7 milhão na merenda escolar adquirindo produtos da região

O contrato fortalece a família agricultora da região na geração de renda e reconhecimento da produção local

 
Redação
Julio entrega os itens produzidos no Assentamento 20 de Março. Divulgação
Julio entrega os itens produzidos no Assentamento 20 de Março. Divulgação

Como forma de fortalecer a agricultura familiar de Três Lagoas, a prefeitura investirá mais de R$ 1,7 milhão para aquisição de alimentos para a merenda da Rede Municipal de Ensino. Este valor vai compor a alimentação de aproximadamente 16 mil alunos das 36 unidades de ensino, entre escolas e creches.

O resultado do chamamento público, com a lista dos produtores que terão um ano de muito trabalho para abastecer as escolas e creches do Município com produtos hortifrútis para a refeição dos alunos, foi publicado no Diário Oficial desta segunda-feira (18).

São 10 associações agrícolas, formadas por produtores da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar Rural, inseridos no Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. A maioria dos contemplados no chamamento é de Três Lagoas. Apenas duas associações são das cidades de Mirandópolis e Fernandópolis (SP). Todas irão fornecer frutas, verduras, legumes e afins para compor uma merenda balanceada e altamente nutritiva, com alimentos 100% saudáveis.

O produtor rural e presidente da Associação dos Agricultores Familiares do Assentamento 20 de Março, Julio Saito, considera a valorização da produção local através do convênio com a Prefeitura.

"Este contrato é importante para os associados, pois, para muitos é a principal fonte de renda. Temos os desafios que qualquer produtor tem, como questões de clima, logísticas e burocráticas. O importante é que a prefeitura tem valorizado cada vez mais a produção local, aumentando o repasse e a quantidade exigida, o que nos motiva a ampliar nossas hortas e pomares. Nossos alimentos têm agradado às crianças e à Secretaria municipal de Educação. Estimo que este ano possamos entregar 85% do estipulado no contrato", explicou Julio.

A diretora pedagógica e educacional, Angela Maria de Brito, diz que a medida atende toda a REME, e tem a vantagem de ser colhido "no quintal de casa", explicando que o alimento vem das associações da região.

Para a secretária de educação e cultura, Heliety Antiqueira, "É uma grande satisfação ver os nossos alunos tendo uma alimentação saudável, 100% natural, com frutas, legumes e verduras da nossa região, valorizando o produtor rural local, impulsionando a produção e o desenvolvimento dessas famílias. Hoje, não conseguimos ver a merenda escolar sem os itens da agricultura familiar", completa Heliety.

Desde 2017, a Administração manteve este convênio com os produtores da região, sendo investidos pouco mais de R$ 1,2 milhão na merenda escolar, adquirindo alimentos de sete associações. Em 2018, o valor total foi de R$ 889 mil, com 12 associações inscritas. No ano passado o montante foi menor devido às questões climáticas que prejudicaram a produção dos hortifrútis, além da greve dos caminhoneiros.

Envie seu Comentário