29/10/2018 14h43

Produtores de MS vencem desafio de filmes turísticos em Portugal

Representantes de vários países tiveram poucos dias para produzir um filme promocional de até três minutos da região central do país português

 
Redação
 
Marco Calábria e Bruno Nishino, proprietários do Estúdio Eureka Filmes, de Corumbá, ao receberem premiação junto com equipe. (Foto: Divulgação )
Marco Calábria e Bruno Nishino, proprietários do Estúdio Eureka Filmes, de Corumbá, ao receberem premiação junto com equipe. (Foto: Divulgação )

O filme "Inside", produzido por equipe brasileira formada pelos proprietários do Estúdio Eureka Filmes, de Corumbá, venceu na última sexta-feira (26), o Art&Tur Factory, desafio lançado durante o festival internacional de filmes turísticos 2018, em Portugal.

Conforme o Diário Corumbaense, além dos integrantes de Corumbá, a produção de "Inside" contou com direção de fotografia de Leandro Miranda, responsável audiovisual da Plataforma de conteúdos gastronômicos "Fartura Comidas do Brasil" do estado de Minas Gerais e da atriz e produtora Mariana Castelo Branco.

No desafio, representantes de vários países tiveram que, em poucos dias, produzir um filme promocional de até três minutos da região central de Portugal necessariamente passados em aldeias do Centro de Portugal integradas nas redes das Aldeias Históricas do País e das Aldeias de Xisto. O filme vencedor teve como cenários as aldeias de Piódão, Belmonte e Sortelha.

Bruno Nishino destacou a importância da experiência adquirida durante o trabalho e comparou o êxito recente com a vitória em 2015, quando o filme "Corumbá Incrível", também produzido pelo Estúdio Eureka arrebatou premiação no Festival.

"O Art & Tur por si só já é um grande festival, e agora, além do festival internacional temos o Art & Tur Factory, essa modalidade na minha opinião é muito mais intensa. O contato e o aprendizado é de valor inestimável, estávamos em condições equivalentes e ficou claro que ganharia aquele que melhor se adaptasse às condições internas (onde ficamos isolados), as externas (aldeias onde gravamos) e aos diversos tipos de pressão que acontecem, foi um grande desafio, estávamos nervosos até o último momento, não sabíamos o que os outros times estavam fazendo, foi muito legal, eu mal posso esperar para participar novamente", explicou Nishino.

Ao destacar o profissionalismo e competência da equipe, o publicitário Marco Calábria lembrou que um pouco de sorte também acabou fazendo a diferença para que todo o trabalho não fosse comprometido.

"É bem emocionante pra gente, idealizar algo tão complexo e ser vencedor. Desde a logística de se deslocar de um país a outro até acertar na plástica e qualidade de um filme promocional turístico. Fomos corajosos em fazer um filme com esse roteiro, envolve muita gente e muita responsabilidade. Conseguimos fazer acontecer entre poucas pessoas, em vários momentos ficamos bem perto de não conseguir realizar algumas cenas muito importantes, por causa de sol, mau tempo ou hora marcada em outra locação. Estar ao lado de profissionais tão talentosos como nosso diretor de fotografia Leandro Miranda, a atriz Mariana Castelo Branco, o meu sócio Bruno Nishino e nossa roteirista Priscila Midori, foi essencial para a agilidade e solução das coisas no seu devido tempo. A sorte foi também uma grande aliada nisso tudo, afinal o planeta também precisa jogar a favor. Fez sol na hora que tinha que fazer sol.. e chuva.. na hora que tinha que ser chuva. O Apoio do Festival também foi muito importante em todo o processo. O Francisco Dias, organizador do festival, e os assistentes que nos deram o suporte são praticamente co-produtores do filme. Nada disso aconteceria sem eles", contou.

De acordo com o publicitário, o comprometimento dos envolvidos acabou fazendo a diferença. "Nosso assistente Miguel, além de ser um grande cara, não mediu esforços para nos ajudar. O trabalho colaborativo entre os integrantes foi de total importância pro resultado do filme, diante de toda a pressa, praticamente todo mundo faz de tudo, opina, participa, altera. Sou muito grato a todos os integrantes, por acreditarem e enfrentarem esse desafio ao meu lado. Esse prêmio não tem dono, ele é fruto de bons profissionais que estão dispostos a trabalhar com qualidade e buscar, seja como for, um espaço no mercado nacional e internacional", finalizou.

Produção do time Indiano, liderado por Satyanarayana Dulam e Sandeep Dulam, gravado na aldeia de Piódão, e produção do time da África do Sul e Irlanda, feita por Bruce Buttery e Tarryn Buttery, filmado nas aldeias de Monsanto e Idanha dividiram o segundo lugar.

(*) Campo Grande News

Envie seu Comentário