Apesar da média geral dos índices de infestação permanecer satisfatória em Três Lagoas, o mesmo não acontece, principalmente, em nove bairros, como revelou o resultado do LIRAa de novembro

O mais recente Levantamento Rápido de Infestação pelo Aedes aegypti – LIRAa, divulgado na sexta-feira (08)  pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio da equipe de Endemias e Controle de Vetores, setor da Diretoria de Vigilância em Saúde e Saneamento, revela que o Índice de Infestação Predial (IIP) de setembro é de 0,9%.

Isso quer dizer que, segundo critérios adotados pelo Ministério da Saúde,  quando o extrato do LIRAa identifica menos de uma casa infestada de criadouros para cada 100 pesquisadas, o índice (até 0,9%) é considerado satisfatório. Quando as equipes de Agentes de Endemias identificam de uma a três casas infestadas a cada 100 imóveis pesquisados, o índice é avaliado como sendo uma situação de alerta. O risco de surto existe quando o índice de infestação do Aedes aegypti é igual ou superior a 4%.

Como consta no último LIRAa, as equipes de Agentes de Endemias visitaram 2.795 imóveis e desse total visitado, foram encontrados 26 depósitos positivos do Aedes aegypti. Com isso, o IIP geral ficou em 0,9%.

Apesar da média geral dos índices de infestação permanecer satisfatória em Três Lagoas, o mesmo não acontece, principalmente, em nove bairros, como revelou o resultado do LIRAa de novembro.

Essa é a realidade encontrada nos seguintes bairros: Santa Luzia (13%); Distrito Industrial (10%); Conjunto Habitacional JK (7,3%); Lapa (4,1%); Santo André (3,6%); Nossa Senhora das Graças (3,4%); Jardim Caçula (3,1%); Colinos (2,3%); Vila Zuque (2,3%); e Interlagos (2,2%).

Como relatou o coordenador do Setor de Endemias e Controle de Vetores, Alcides Divino Ferreira, “apesar dos índices gerais serem satisfatórios, continua preocupante a situação encontrada em muitos imóveis dessas 10 localidades,  quanto ao número de criadouros ali encontrados”, avaliou.

Por outro lado, “graças à Campanha Meu Bairro Limpo e sequência de mutirões de localização e eliminação de criadouros no enfrentamento à Dengue, realizados pelas nossas equipes de Agentes de Endemias,  os índices de infestação tiveram acentuada queda”, comentou Alcides.

“Esses dados do LIRAa de novembro revelam também que devemos continuar intensificando nossas ações de alerta aos donos de imóveis,  porque está, mais uma vez  constatado que mais de 95% dos focos criadouros do Aedes aegypti estão no interior das casas e nos quintais”, alertou Alcides.

Confira os dados do LIRAa:

Comentários