21/01/2013 10h31 – Atualizado em 21/01/2013 10h31

Da Redação

A Companhia de Gás do Estado de Mato Grosso do Sul (MSGÁS) fechou o ano de 2012 com crescimento de quase 80% na quantidade de cliente atendidos, em relação a 2011. O número que era de 1.243 saltou para 2.220 em um ano.

Os segmentos residencial e comercial impulsionaram o crescimento, com 905 e 69 unidades consumidoras a mais, respectivamente. Esses dados são resultado do trabalho em Campo Grande, voltado para atender condomínios e empreendimentos comerciais.

Com o objetivo de acelerar o processo de aquisição de dados, de forma confiável e livre de fraudes, a MSGÁS começou a implantar em 2012, um sistema de medição individualizada e por telemetria em seus clientes residenciais da Capital.

Esse processo ainda está em fase de teste, com 120 pontos de medição em dois condomínios, mas são várias as vantagens encontradas, como a redução de tempo e custo no processo de leitura ao faturamento, além de ser 100% livre de fios e cabos.

Já no segmento residencial, a campanha que beneficia novos clientes com até um ano de gás grátis têm atraído construtoras. Além de ser uma energia limpa e econômica, o gás natural apresenta uma gama de vantagens na segurança de moradores de prédios e condomínios.

CONSUMO

Seguindo a tendência, os segmentos comercial (10,9%) e residencial (9,6%) foram os que mais apresentaram crescimento em relação ao consumo de gás natural por m³. A expectativa é que o comercial consuma 1.320,00 m³ de gás natural em 2013 e o residencial, 401.000 m³.

O segmento industrial cresceu 1,4% de 2011 para 2012, em relação ao consumo, e esse número é explicado devido às obras de expansão que foram realizadas durante todo o ano passado.

Os investimentos feitos pela MSGÁS nesse setor surtirão efeito nos anos de 2013 e 2014. Em 2012 foi concluído o ramal de gás das indústrias Sitrel e Cargil, ambas em Três Lagoas, porém as duas só irão consumir gás natural efetivamente em 2013. Ainda nesse ano será construído o ramal de gás que atenderá a Eldorado – que deverá começar a consumir em 2014 – e o da Unidade de Fertilizantes Nitrogenados – UFN III, da Petrobras, que deve ser concluído ainda em 2013.

O setor que abastece os veículos, o Gás Natural Veicular (GNV), se manteve em queda (-14,3%). A MSGÁS tem trabalhado para manter o consumo. A diminuição das conversões se deu pelo caminho estratégico das montadoras com seus carros flex (álcool ou gasolina), que inibem o crescimento na utilização de veículos a GNV.

Já a cogeração, segmento que abastece o Shopping Campo Grande, também apresentou queda (-46,1%). O barateamento da energia elétrica e os recentes incentivos do Governo Federal na redução da tarifa desta fonte de energia contribuíram para os números. A tendência é que esse segmento se mantenha estável em 2013.

TÉRMICAS

A falta de consumo em 2011 e o excesso em 2012 explicam o crescimento exorbitante nos números das térmicas do Estado. No ano passado, a seca na região nordeste, associado a pouca quantidade de chuvas na região sul, ocasionou a necessidade da utilização do gás natural nas térmicas, vez que as hidrelétricas do sul não conseguiram atender à demanda do país.

Dessa forma, a térmica Luis Carlos Prestes, localizada em Três Lagoas, teve crescimento de 1.674,8% e seu consumo de gás natural chegou a 270.152m³.

Já a térmica de Campo Grande, Willian Arjona, cresceu 4.990,1% de 2011 para 2012, consumindo no último ano 21.103m³ de gás natural.

(*) Com informações de Notícias MS

Comentários